UGT - História

História

  • Das origens ao período fascista

    Das origens ao período fascista

    As primeiras associações operárias de socorros mútuos ou de ensino popular foram constituídas, em Portugal, após a revolução liberal de 1820 e a abolição das corporações das artes e ofícios em 1834.

    saber mais →
  • A ditadura de Salazar

    A ditadura de Salazar

    A instabilidade política, a agitação social e a crise geral da sociedade portuguesa, aliadas ao estabelecimento de regimes ditatoriais fascistas em Itália e Espanha, tiveram pesadas consequências para o país.

    saber mais →
  • A ditadura de Marcelo Caetano (1968-1974)

    A ditadura de Marcelo Caetano (1968-1974)

    Em 1968, Salazar (que morreu em 1970) foi substituído por Marcelo Caetano, seu braço direito e "alter ego".

    saber mais →
  • A evolução após o 25 Abril 1974

    A evolução após o 25 Abril 1974

    O "Movimento das Forças Armadas" (MFA) pós fim à ditadura fascista em 25 de Abril de 1974.

    saber mais →
  • O nascimento da UGT

    O nascimento da UGT

    Os conflitos entre os comunistas e os diferentes grupos da minoria no seio da Intersindical Nacional manifestaram-se durante todo o ano de 1976.

    saber mais →

A evolução após o 25 Abril 1974

O "Movimento das Forças Armadas" (MFA) pós fim à ditadura fascista em 25 de Abril de 1974. O Partido Comunista saiu da clandestinidade, tendo aparecido como a única estrutura política organizada, apesar de estar muito pouco implantado em Portugal. A Intersindical, que havia estado na clandestinidade entre 1970 e 1974, apareceu como força sindical unitária antifascista.

Entre o 25 de Abril e o l Maio, os trabalhadores ocuparam as sedes dos antigos sindicatos corporativos (em muitos casos de uma forma espontânea) , expulsando os dirigentes fascistas e nomeando novos responsáveis. O PCP, que, imediatamente após o 25 de Abril, criou um aparelho de dirigentes permanentes em todo o território nacional, foi a força política que melhor partido tirou desta situação, tornando-se, em Setembro de 1974, a tendência maioritária no seio do movimento sindical.

As tendências políticas minoritárias no seio da Intersindical eram representadas pelos católicos progressistas e pelos socialistas. A partir de 1975, os sindicalistas socialistas, aliados a outros sindicalistas, como é caso dos que se encontravam na esfera do Partido Popular Democrático (o actual Partido Social Democrático) e a pequenos grupos marxistas-leninistas, começaram a concorrer às eleições sindicais e a controlar alguns sindicatos, especialmente no sector dos serviços (banca, seguros, escritórios, etc).

Em Julho de 1975 realizou-se o I Congresso da Intersindical. Este Congresso coincidiu com a promulgação da nova legislação sindical, a qual impunha o principio da unidade orgânica, determinando a Intersindical como ,,a central nacional única dos trabalhadores portugueses". Aquando deste I Congresso, as correntes minoritárias, com, à cabeça, os sindicatos dos Bancários do Norte, dos Têxteis do Sul, da Confecção do Porto, de Braga e dos Ourives, contestaram radicalmente as teses colectivistas da maioria comunista, sem terem, no entanto, conseguido modificar as influências políticas no seio da lntersindical.