UGT - História

História

  • Das origens ao período fascista

    Das origens ao período fascista

    As primeiras associações operárias de socorros mútuos ou de ensino popular foram constituídas, em Portugal, após a revolução liberal de 1820 e a abolição das corporações das artes e ofícios em 1834.

    saber mais →
  • A ditadura de Salazar

    A ditadura de Salazar

    A instabilidade política, a agitação social e a crise geral da sociedade portuguesa, aliadas ao estabelecimento de regimes ditatoriais fascistas em Itália e Espanha, tiveram pesadas consequências para o país.

    saber mais →
  • A ditadura de Marcelo Caetano (1968-1974)

    A ditadura de Marcelo Caetano (1968-1974)

    Em 1968, Salazar (que morreu em 1970) foi substituído por Marcelo Caetano, seu braço direito e "alter ego".

    saber mais →
  • A evolução após o 25 Abril 1974

    A evolução após o 25 Abril 1974

    O "Movimento das Forças Armadas" (MFA) pós fim à ditadura fascista em 25 de Abril de 1974.

    saber mais →
  • O nascimento da UGT

    O nascimento da UGT

    Os conflitos entre os comunistas e os diferentes grupos da minoria no seio da Intersindical Nacional manifestaram-se durante todo o ano de 1976.

    saber mais →

O nascimento da UGT

Os conflitos entre os comunistas e os diferentes grupos da minoria no seio da Intersindical Nacional manifestaram-se durante todo o ano de 1976.

Os sindicalistas da minoria constituíram um Movimento Autónomo de Intervenção Sindical - Carta Aberta - o qual contestava as pretensões da Intersindical de representar de forma exclusiva os trabalhadores portugueses. Este movimento defendia, por outro lado, os princípios da liberdade sindical tal como esta era proclamada nas convenções da OIT, bem como o pluralismo sindical e o direito de tendência.

A Constituição de Abril de 1976 pôs em causa o principio da organização sindical única. Em 1977, a lei sindical foi alterada, tendo sido reconhecido o principio da pluralidade sindical.

No inicio de 1977, o Congresso da Intersindical, denominado "de todos os sindicatos", marcou a ruptura definitiva entre os sindicalistas da Carta Aberta e a maioria comunista. Por outro lado, os sindicalistas católicos, particularmente aqueles que se encontravam ligados à Frente Unitária dos Trabalhadores (Base-FUT), os da esquerda socialista autogestionária e os pertencentes aos pequenos grupos da extrema-esquerda, decidiram não abandonar a Intersindical. Esta adoptou o seu actual nome : Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional (CGTP-IN).

Por sua vez, os sindicalistas ligados aos partidos Socialista e Social-Democrático (conservador) decidiram constituir uma nova central sindical.

Em 28 e 29 de Outubro 1978, na sala do cinema Lumiar, em Lisboa, 47 sindicatos (8 dos quais com estatuto de observador) aprovaram a Declaração de Princípios e os Estatutos da União Geral de Trabalhadores - UGT. O I Congresso da UGT foi convocado para a cidade do Porto, para 29 e 30 de Janeiro 1979.