UGT - Comunicados

Notícias Internacionais

2021

UGT Portugal marca presença em seminário da UGT-STP

2021-09-02
UGT Portugal marca presença em seminário da UGT-STP

Uma delegação da UGT constituída pelo Secretário-Geral Adjunto Sérgio Monte e pelos Secretários Executivos Luís Costa e Carlos Alves participou no Seminário promovido pela UGT de São Tomé e Príncipe (UGT-STP), com a colaboração do CEFOSAP, sob o tema “Liberdade Sindical e Negociação Coletiva - Alicerce de Trabalho com Direitos”.

A mesa de abertura foi constituída pelo Ministro do Trabalho da República Democrática de São Tomé e Príncipe, pelo Secretário-Geral da UGT-STP, Costa Carlos, e pelo Secretário-Geral Adjunto da UGT-P Sérgio Monte, que na sua intervenção referiu os desafios que governos, sindicatos e patrões enfrentam face às transições digitais, climáticas e demográficas em curso que revolucionarão o mundo do trabalho tendo frisado ainda que, neste contexto, o diálogo social e a negociação coletiva são instrumentos imprescindíveis.

Nos dias seguintes, os dirigentes da UGT-P intervirão ainda em diversos painéis em temas como o Diálogo Social e a Liberdade Sindical em Tempo de Crise, a Negociação Coletiva e a Legislação Laboral e a Cooperação Regional e Internacional.

Representantes sindicais do Santander Espanha solidários com a luta dos bancários em Portugal

2021-08-25
Representantes sindicais do Santander Espanha solidários com a luta dos bancários em Portugal

A delegação da UGT Portugal que se deslocou a Espanha, no âmbito da cimeira sindical ibérica com a UGT-Espanha, reuniu-se hoje com os responsáveis da Federação Sindical da Banca, Comércio e Serviços de Espanha e representantes sindicais do Banco Santander em Espanha. 

Nesta reunião foi abordado o processo de restruturação em curso que está a ser levado a cabo neste banco em Portugal e a atitude pouco democrática do Conselho de Administração face às preocupações dos trabalhadores e dos seus sindicatos.  

Por parte dos representantes sindicais espanhóis foi demonstrada total solidariedade e disponibilidade, inclusive, para a participação em eventuais lutas que venham a ser determinadas pelos sindicatos em Portugal.

Neste contexto, e a convite da UGT-Portugal, uma delegação de dirigentes da  UGT-Espanha e de representantes sindicais do Banco Santander em Espanha deslocar-se-á brevemente a Portugal para uma reunião com os 3 Sindicatos Portugueses, filiados na UGT: Mais Sindicato, SBN e SBC.

Cimeira Sindical UGT-Portugal e UGT-Espanha

2021-08-24
Cimeira Sindical UGT-Portugal e UGT-Espanha

Uma delegação da UGT-Portugal, chefiada pelo Secretário-geral, Carlos Silva, foi recebida esta manhã, na sede da UGT-Espanha, em Madrid.

Este encontro sindical teve como principal objectivo abordar as questões económicas e sindicais europeias, designadamente as várias iniciativas legislativas em curso (directivas sobre o salário mínimo, plataformas digitais ou transparência salarial europeia).

Também foi discutida a situação económica e sindical dos dois países, com especial incidência sobre a economia e a recuperação pós-pandémica e como ela deve beneficiar os trabalhadores.

A reunião contou com a presença do Secretário-geral da UGT-Portugal, Carlos Silva, dos Secretário-gerais Adjuntos, Sérgio Monte e José Cordeiro, e do Secretário Executivo, Luís Costa.

Pela UGT-Espanha estiveram presentes o Vice-Secretário-geral da UGT-Espanha, Rafael Espartero, o Secretário Internacional, Jesús Gallego, e a Secretária confederal para os Assuntos Europeus, Valérie Parra.

 

UGT felicita UGT-Espanha pelo seu 133º aniversário

2021-08-16
UGT felicita UGT-Espanha pelo seu 133º aniversário

A UGT Portugal felicita sua congénere espanhola pelos 133 anos de vida. 

A UGT espanhola é a organização sindical mais antiga da península Ibérica e a segunda mais antiga do mundo. Uma organização sindical que tem pautado a sua ação pela luta por uma economia mais justa, solidária e sustentável. Por isso a luta contra as desigualdades e o firme propósito de criar um modelo social centrado nas pessoas tem sido uma constante nestes 133 anos de vida.  

Certos de que a crise pandémica mostrou o valor do trabalho, da proteção social universal, dos serviços públicos de qualidade e do Diálogo Social como ferramenta para um modelo económico e social mais justo.

Parabéns pelo trabalho já realizado.

Coragem para enfrentar os desafios do futuro.

Longa vida à UGT-Espanha.

G20/OCDE - UGT quer apoio de Portugal para acordo ambicioso sobre tributação mínima às multinacionais

2021-06-22
G20/OCDE - UGT quer apoio de Portugal para acordo ambicioso sobre tributação mínima às multinacionais

A UGT enviou uma carta ao Primeiro-ministro, António Costa, onde apela ao apoio de Portugal, no contexto das negociações do G20/OCDE, para a fixação de uma taxa tributária mínima global sobre as multinacionais.

 

Exmº Senhor

Primeiro Ministro

Dr. António Costa

Tendo conhecimento de que o Quadro Inclusivo do G20/OCDE se reunirá a 30 de Junho, com vista a propor uma solução final para o G20 venho, em nome da UGT, apelar a que apoie um acordo sólido e ambicioso sobre uma taxa tributária mínima global no contexto das  negociações do G20/ OCDE sobre os desafios tributários da digitalização  (cerca de 25%, exclusões e limitações inexistentes ou muito limitadas). 

Os sindicatos consideram que o acordo sobre um “Pilar 2” sólido e ambicioso constitui uma grande prioridade para pôr fim ao nivelamento por baixo em matéria fiscal e para trazer os tão necessários ganhos de receita. Um acordo sólido consistiria num quadro internacional que possa oferecer a certeza legal para que os governos possam voltar a taxar os lucros com défice de tributação no exterior. Um acordo ambicioso teria uma taxa corporativa mínima global sobre o rendimento dentro das taxas de tributação efetivas médias da OCDE (20%-25%) e com um número muito limitado de exclusões e isenções, o que já tarda há muito.

Na reunião do G7 sobre finanças de 4-5 de Junho foram assumidos compromissos muito bem-vindos para esse fim. Mas o acordo sobre Finanças do G7 situa-se numa taxa de 15%, que é demasiado baixa. Uma taxa mais elevada faria uma diferença significativa,  tanto para abordar a corrida fiscal para o fundo como em termos de receitas geradas e, como evidenciado, entre outros, pela própria OCDE e pelo recentemente criado Observatório fiscal da EU .

Numa altura em que os países necessitam de uma tributação progressiva para financiar uma recuperação sustentável torna-se crucial que as negociações visem atingir uma taxa satisfatória em termos de receitas.  

Apoiamos a necessidade de um acordo paralelo que melhore a tributação de rendimentos corporativos para as empresas lucrativas como parte do “Pilar 1” das negociações. Não obstante, seria uma pena que um potencial acordo inovador sobre um patamar mínimo global fosse adiado ou enfraquecido devido a questões do trabalho em progresso, relativamente ao Pilar 1. 

Gostaríamos de continuar a discutir este assunto convosco, caso considerem necessário. 

 

Atentamente,

Carlos Silva

Secretário Geral da UGT