UGT - Comunicados

Notícias Internacionais

2020

UGT lamenta o falecimento do ex-presidente da CUT Brasil

2020-03-20
UGT lamenta o falecimento do ex-presidente da CUT Brasil

A UGT tomou conhecimento do falecimento do ex-presidente da CUT-Brasil, João Felício, que de 2014 a 2018 liderou também a Confederação Sindical Internacional (CSI).

Leia abaixo a mensagem de condolências enviada pelo Secretário-geral da UGT.

 

Caros Companheiros,

É com imensa tristeza que recebi a vossa notícia sobre a partida do nosso amigo João Felício, lutador incansável, determinado e corajoso pelos direitos dos trabalhadores do Brasil e de todo o globo.

A sua presidência da CSI foi o culminar de uma carreira internacional em que a UGT-PORTUGAL se reviu e apoiou.

Um sindicalista como João Felício deixa um legado que a todos os sindicalistas deve motivar e mobilizar, como incentivo a nunca baixar os braços ante as injustiças e os abusos.

À CUT do Brasil e a todo o movimento sindical brasileiro, da América Latina e da CSI, vem a UGT-PORTUGAL apresentar as mais sentidas condolências, extensivas aos seus familiares.

Em solidariedade,

Carlos Silva

Secretário Geral da UGT-Portugal

UGT recebe com profundo pesar a noticia da morte de Manuel Bonmati

2020-03-20
UGT recebe com profundo pesar a noticia da morte de Manuel Bonmati

Estimados Jesus Gallego e Pepe Alvarez,

“É com profundo pesar que recebi a notícia da partida do Manuel Bonmati, grande amigo da UGT PORTUGAL e dos trabalhadores portugueses.

Iremos republicar a notícia da UGT ESPANHA no nosso website e juntar os nossos pensamentos a todos os homens e mulheres da UGT dos nossos dois países, em memória do Manolo.

O seu legado continuará vivo entre nós e o seu exemplo de corajoso lutador sindical perdurará nos nossos corações.

Aceitem todos, Amigos e companheiros da UGT ESPANHA um abraço solidário nesta hora de dor, em tempos de dificuldades por que os nossos povos vão vivendo com uma epidemia terrível, mas que a capacidade de resistência que o Manuel Bonmati nos demonstrou durante a sua vida, nos ajudará a vencer.

EM SOLIDARIEDADE E AMIZADE

Pela UGT PORTUGAL

CARLOS SILVA

Secretário Geral”

 

Noticia publicada no site da UGT-Espanha

Manolo (Triana, Sevilla, 1946) y afiliado a UGT desde 1968, fue Secretario Confederal de Relaciones Internacionales (1986-2016) y Secretario General de la Federación de Trabajadores de la Hostelería, entre otras.

Sindicalista de raza “(…) y por ello socialista e internacionalista“(…), su trayectoria vital, sindical y política le llevó a colaborar de manera activa en varios ámbitos de las entonces ilegalizadas UGT y PSOE durante la dictadura franquista. También a trabajar en distintos ámbitos internacionales, siempre con la misma convicción de que la clase obrera organizada globalmente era un elemento fundamental para la consecución de la democracia, la libertad y el progreso de los y las trabajadoras del mundo. De ahí su residencia en Reino Unido, en donde colaboró con el Trade Union Congress (TUC) y la Fundación del Sindicato de Trabajadores de Hostelería del Transport and General Workers Union, formando parte de su Comité Coordinador.

Fruto de ese sentimiento, fue actor fundamental en la construcción y trabajo de organizaciones sindicales internacionales, como la Confederación Internacional de Organizaciones Sindicales Libres (CIOSL), la Confederación Sindical Internacional (CSI), la Confederación Europea de Sindicatos (CES), así como de la Organización Internacional del Trabajo (OIT) y del Comité Consultivo Sindical (TUAC) ante la OCDE. De manera especial, centró su esfuerzo e ilusiones en la Confederación Sindical de las Américas (CSA), a quien dedicó esfuerzo, solidaridad, amistad, cariño y empeño.

Es para UGT imposible elegir una de las grandes contribuciones de Manolo, pero si hubiéramos de hacerlo, mencionaríamos su esfuerzo en la campaña del “No a la Guerra” contra la participación española en la II Guerra del Golfo. Allí puso lo mejor de sí mismo, juntando fuerzas sindicales, sociales y políticas de todos los ámbitos con el objetivo de acabar con una sangrienta guerra sinsentido que enfrentaba a los pueblos y la clase trabajadora.

Los afiliados y afiliadas a UGT, su Comisión Ejecutiva Confederal y todas las personas que tuvimos la suerte de conocerlo, lloramos la pérdida de nuestro querido compañero y enviamos a su familia y amigos nuestro más sentido pésame en la seguridad de que el legado de Manolo Bonmati queda en lo más profundo del corazón y espíritu de UGT.

 

Coronavírus - UGT subscreve posição da CES no elogio à decisão da C.E de suspensão do PEC

2020-03-20
Coronavírus - UGT subscreve posição da CES no elogio à decisão da C.E de suspensão do PEC

A UGT subscreve posição da Confederação Europeia de Sindicatos no elogio à decisão, sem precedentes, da Comissão Europeia de suspender o Pacto de Estabilidade e Crescimento, autorizando os Estados membros a utilizarem os recursos que forem necessários para o combate contra o coronavirus.

Ver links abaixo:

Perguntas e respostas: Comissão propõe a ativação da cláusula de derrogação de âmbito geral do quadro orçamental para dar resposta à pandemia(EN)

Comunicação relativa à ativação da cláusula de derrogação de âmbito geral (EN)

CES - Aumentos Salariais não reflectem o aumento da produtividade na maioria dos Estados-Membros da U.E.

2020-02-12
CES - Aumentos Salariais não reflectem o aumento da produtividade na maioria dos Estados-Membros da U.E.

A produtividade aumentou mais do que os salários* na maioria dos Estados-Membros da U.E.

De 2010 a 2019, os salários aumentaram menos do que a produtividade no trabalho em 15 Estados-Membros da U.E., de acordo com os novos cálculos do Instituto Sindical Europeu (com base em dados da Ameco)

O CRESCIMENTO DOS SALÁRIOS FICOU ATRÁS DOS AUMENTOS DE PRODUTIVIDADE:

“35” pontos percentuais na Irlanda** (ver nota de rodapé)

17 pontos percentuais na Croácia

11 pontos percentuais em Espanha

9 pontos percentuais na Grécia e Chipre

7 pontos percentuais em Portugal

3 pontos percentuais na Bélgica, Holanda e Finlândia

2 pontos percentuais na Itália

1 ponto percentual na Áustria, Dinamarca e França

0.5 pontos percentuais na Eslovénia

0.2 pontos percentuais em Malta.

“A justiça e a teoria económica exigem que os aumentos salariais sigam os aumentos de produtividade” afirma Esther Lynch, Secretária-Geral Adjunta da Confederação Europeia de Sindicatos (CES) “ em vez disso, os trabalhadores perdem para os mais ricos".

“As empresas pagam mais aos seus accionistas e gestores, à custa dos seus trabalhadores"

“É uma redistribuição na direcção errada: roubar aos mais pobres para dar aos mais ricos".

“A União Europeia tem de implementar medidas de apoio a uma negociação colectiva mais forte.

Quando os trabalhadores podem negociar a sua justa parte dos ganhos de produtividade, o salário mediano aumenta, o que torna mais provável que 60% do salário mediano chegue a um salário mínimo como qual os trabalhadores possam ganhar a vida."

 

Notas

*Tecnicamente designado de 'compensação real por trabalhador' = salário, contribuições para a Segurança Social e benefícios por trabalhador a cargo do empregador, enquanto a produtividade é medida como PIB por trabalhador – ambos são ajustados pela inflação.

** Foram levantadas questões sobre o valor do PIB irlandês devido às actividades de várias multinacionais, embora os salários quase certamente fiquem atrás dos aumentos de produtividade.

 

Nota: Tradução da responsabilidade da UGT, baseada na versão inglesa da press release da CES

Ver link

CESE - Relatório de Atividades da representação da UGT - ano de 2019

2020-01-28
CESE - Relatório de Atividades da representação da UGT - ano de 2019

A representação da UGT no Comité Económico e Social Europeu, em 2019, foi assegurada pelo Secretário-Geral, Carlos Silva, e pelo Vice-Presidente, João Dias da Silva.

Durante o ano de 2019, ambos integraram a secção especializada SOC - Emprego, Assuntos Sociais e Cidadania. O primeiro integrou ainda a secção especializada ECO - União Económica e Monetária e Coesão Económica e o segundo a secção especializada REX - Relações Internacionais. O segundo integrou a Mesa do Comité ao longo de todo o ano, assegurando a representação nacional nesse órgão do CESE.

Este ano foi assinalado pela confirmação e renovação de um acordo de cooperação entre o Grupo dos Trabalhadores do CESE com a Confederação Europeia de Sindicatos, tendo sido estabelecidas concretizações de uma mais forte cooperação.

Durante 2019, nas secções em que os representantes da UGT participam, assim como nas sessões plenárias, foram debatidos os seguintes temas:

 - A dimensão social;

Uma mobilidade justa para trabalhadores/cidadãos – Condições justas para a migração;

- Uma União Económica e Monetária (UEM) que funciona para as pessoas;

- A transição para a era da digitalização;

- Estratégia para a democracia forte na Europa;

- O quadro financeiro plurianual;

- Globalização justa e política comercial;

- Desafios que se levantam aos sistemas de educação e formação, ao nível de um novo quadro de competências que deve ser implementado;

- Mudanças climáticas.

 

Leia no link abaixo o relatório na íntegra