UGT - Comunicados

Notícias Internacionais

2017

CES avalia aprofundamento da União Económica e Monetária

2017-08-03
CES avalia aprofundamento da União Económica e Monetária

A CES solicitou uma revisão do Pacto de Estabilidade e Crescimento no que diz respeito ao seu carácter pro-cíclico e ao impacto no investimento público. Um Tesouro Europeu implicaria também uma revisão do Pacto de Estabilidade e Crescimento e asseguraria um nível mínimo de investimento público em todos os Estados-Membros.

Os títulos emitidos pelo Tesouro Europeu seriam um instrumento de dívida destinado a igualar os títulos do Tesouro dos EUA - um instrumento de dívida que o BCE pode comprar para fins de política monetária e de estabilidade financeira. A taxa de juros seria, portanto, a referência geral para a União como a única curva de rendimento livre de risco na Europa.

Tal quadro ligaria o euro e a sua gestão, estabelecida de forma centralizada, às orientações políticas estabelecidas no tempo de forma descentralizada, permitindo a sobrevivência do euro e a implementação do projeto europeu.

O aprofundamento da União Económica e Monetária também implica uma revisão do Semestre Europeu. A governança atual está demasiado focada nas finanças públicas sólidas e na redução dos deficits. Se for apresentada uma visão do Estado de bem-estar da União, com um papel ativo do setor público, isso deve refletir-se nos critérios de governança e no quadro de avaliação macroeconómico. Uma dimensão social deve significar garantir direitos fundamentais, promover a negociação coletiva e desenvolver serviços públicos de qualidade. Significa também que não deve haver mais liberalização de tais serviços. Além disso, seria necessário algum tipo de harmonização social e fiscal.

Leia AQUI a versão integral do documento

UGT reúne com Força Sindical do Brasil

2017-07-12
UGT reúne com Força Sindical do Brasil

A comitiva da UGT liderada pela Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, reuniu com a Força Sindical do Brasil no âmbito do projeto de cooperação internacional entre estas duas centrais sindicais, que na reunião ficou reforçado com a celebração de um protocolo entre as duas confederações.

A Força Sindical representada pelo seu Secretário-geral, João Carlos Gonçalves (Juruna), pelo Presidente Paulo Pereira da Silva e pelo Secretário Internacional, Neco Souza, entre outros, aproveitou o momento para apresentar e discutir com a UGT a problemática da reforma laboral em curso no Brasil. A reforma laboral poderá ainda sofrer algumas alterações caso o Presidente Temer aceite as propostas dos sindicatos e introduza as questões por eles suscitadas. Contudo e tendo em conta o panorama político, antevê-se um processo complicado, já que as alterações terão de ser aprovadas pelo Congresso.

Na reunião entre as duas confederações sindicais foi também discutida a decisão de Temer em avançar com alterações ao regime de Segurança Social com profundas distorções lesivas para os trabalhadores, muito à semelhança das alterações introduzidas nos tempos da Troika em Portugal, quer ao nível da idade da reforma, dos valores em causa, e do acesso antecipado.

No final do encontro foi lançado o repto à UGT para apoiar as intervenções dos sindicatos do Brasil nos fóruns internacionais onde a central sindical portuguesa tem assento, um pedido que foi naturalmente confirmado.

Aceda AQUI à fotogaleria

UGT recebe delegação sindical da província chinesa de Shandong

2017-06-30
UGT recebe delegação sindical da província chinesa de Shandong

Uma delegação sindical da província chinesa de Shandong visitou a UGT no âmbito do seu roteiro sindical por Portugal.

Esta visita teve como objetivo perceber a estrutura organizativa da UGT, bem como a sua ação sindical e os principais desafios que os trabalhadores portugueses enfrentam atualmente e quais as perspetivas futuras das relações laborais num mundo cada vez mais globalizado.

A UGT aproveitou para realçar as boas relações entre os dois países e apelou a um esforço conjunto para a dignificação das relações de trabalho no mundo.

 

UGT esteve presente na 106ª Conferência Internacional do Trabalho da OIT em Genebra

2017-06-14
UGT esteve presente na 106ª Conferência Internacional do Trabalho da OIT em Genebra

A delegação liderada pelo Secretário-Geral da UGT, Carlos Silva, teve a oportunidade de presenciar a intervenção do Sr. Secretário de Estado do Emprego, Dr. Miguel Cabrita que em nome do Governo Português salientou e reiterou o compromisso em valorizar a Concertacão Social.

Em representação das confederações patronais portuguesas interveio o Vice Presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, Dr. Marcelino Pena Costa, que valorizou o ambiente económico favorável ao emprego e a maior confiança nos mercados por parte das empresas e dos cidadãos.

Intervierem ainda vários membros de Governos da CPLP, com os quais a UGT, através da CSPLP, mantém o compromisso de contribuir para a melhoria das condições de trabalho dos trabalhadores do espaço da lusofonia.

 

Ver fotos (Flickr)

OIT - UGT na luta contra o trabalho infantil

2017-06-12
OIT - UGT na luta contra o trabalho infantil

A UGT associou-se mais uma vez à Organização Internacional do Trabalho (OIT) no âmbito da celebração do Dia Mundial contra o Trabalho Infantil. Uma abordagem que este ano se detém na questão do impacto dos conflitos e catástrofes.

Num quadro de conflitos e catástrofes, muitas crianças encontram-se numa situação vulnerável por se encontrarem separadas das famílias, tornando-se facilmente vítimas de tráfico e de trabalho infantil, sendo recrutadas por grupos armados ou sujeitas a exploração e abusos sexuais.

Num contexto da meta 8.7 do 8º Objetivo do Desenvolvimento Sustentável, que visa acabar com o trabalho infantil em todas as formas até 2025, foi formada em 2016 a Aliança 8.7. Esta Aliança pretende acelerar e intensificar a acção contra o trabalho infantil, o trabalho forçado, a escravidão moderna e o tráfico de seres humanos e envolve governos, organizações de trabalhadores e empregadores, outras agências das Nações, parceiros do desenvolvimento, sector privado, organizações da sociedade civil, universidades e peritos.

O combate ao trabalho infantil sempre foi uma das prioridades da UGT, sendo parte integrante da CNASTI (Confederação Nacional de Acção sobre o Trabalho Infantil), organização que se mantém no país, de forma muito activa na luta o trabalho infantil.

Desde a primeira hora, a UGT esteve sempre na linha da frente na luta contra este flagelo e contribuiu com a sua acção para que hoje o trabalho infantil esteja erradicado a nível nacional.