UGT - Comunicados

Notícias Internacionais

2015

Luca Visentini eleito novo Secretário-geral da CES

2015-10-02
Luca Visentini eleito novo Secretário-geral da CES

Os líderes dos sindicatos europeu elegeram hoje Luca Visentini como o novo Secretário-Geral, e Rudy de Leeuw, como o novo Presidente da Confederação Europeia de Sindicatos (CES).

Os delegados aprovaram também o Manifesto de Paris e o Programa de Acção 2015-2019 que determinam novas directivas na luta por empregos de qualidade, pelos direitos dos trabalhadores e por uma sociedade mais justa.

As novas politicas propostas no Manifesto de Paris e no Programa de Acção 2015-19 incluem: 

• Prioridade ao crescimento económico e à criação de emprego;

• Renovação do diálogo social, das relações industriais e da negociação colectiva;

• Direitos sociais mais fortes;

• Intensificação na coordenação das políticas sociais, fiscais e do mercado de trabalho entre os Estados-Membros, especialmente na Zona do Euro.

 

"Atravessamos um dos piores períodos da história do sindicalismo europeu", disse Luca Visentini.

"A missão para o próximo mandato será a de continuar a resistir aos ataques contra os sindicatos e alterar a actual situação em que nos encontramos para trazer resultados concretos para os nossos membros".

"Não pode haver emprego de qualidade e criação de emprego, ou altos níveis de bem-estar e de protecção social, sem estimular a economia e restaurar o crescimento sustentável. Para isso precisamos de investimento e de um poder negocial mais forte por parte dos sindicatos ".

A Negociação Coletiva como instrumento de combate às desigualdades

2015-10-01
A Negociação Coletiva como instrumento de combate às desigualdades

No âmbito dos trabalhos do 13º Congresso da Confederação Europeia de Sindicatos (CES) foram abordadas as questões relacionadas com a negociação coletiva. Ficou clara a enorme discrepância entre os países europeus, onde as diferenças no que respeita à capacidade de reivindicação tem sido fortemente abalada, especialmente a nos países do sul e leste da Europa.

Tornou-se evidente que uma harmonização das normas sociais e fiscais tem de se tornar um princípio base na evolução do processo negocial a nível europeu.

Como consequência dessa não harmonização existente, temos assistido a uma concorrência entre Estados Membros, assente no pressuposto do dumping social, isto é, procurar competitividade à custa da redução salarial e das condições de trabalho e de vida dos trabalhadores europeus.

A lógica patronal, em tempos de crise, tem sido invariavelmente a de colocar em cheque o diálogo social, considerando a negociação coletiva como um luxo desnecessário.

Esta tendência deverá merecer um forte combate do movimento sindical europeu liderado pela CES. O diálogo social europeu tem de ser uma realidade, por forma a obstar que ingerências externas, como aconteceu em vários países do sul, forcem os Governos a, unilateralmente, procederem a alterações legislativas que restrinjam e dificultem a negociação coletiva.

A troca de informação entre os sindicatos dos vários países, sector a sector, é muito importante para que todos tenham conhecimento dos procedimentos de determinado grupo económico ou de determinada multinacional, em cada país.

Esta matéria deve constituir uma prioridade da CES e ser promovida com urgência.

Ver fotos (Flickr)

Carlos Silva: "O nosso país continua confrontado com situações de tremenda injustiça social"

2015-10-01
Carlos Silva: "O nosso país continua confrontado com situações de tremenda injustiça social"

Após uma conferência de imprensa, na qual esteve também presente o Presidente da LO da Suécia, Karl-Petter Thorwaldsson (na foto), o Secretário-geral da UGT, em declarações à Lusa, falou sobre as lutas do movimento sindical europeu e a necessidade de a Europa falar a uma só voz contra a austeridade. 
No plano nacional, comentou o actual período eleitoral e enviou uma mensagem aos imigrantes portugueses.

CONFERÊNCIA DE IMPRENSA DE CARLOS SILVA (VÍDEO)

DECLARAÇÕES À LUSA (VÍDEO)

UGT no Congresso da CES: " Os nossos postos de trabalho dependem do nosso Planeta"

2015-10-01
UGT no Congresso da CES: " Os nossos postos de trabalho dependem do nosso Planeta"

O Secretário-geral da UGT participou numa ação que juntou vários líderes sindicais europeus num apelo conjunto para um acordo climático ambicioso com justiça para os todos os trabalhadores

Os líderes sindicais nacionais de toda a Europa mostraram o seu apoio à concretização de um acordo climático ambicioso na Conferência de Alterações Climáticas da ONU e apelaram  a um pacto que inclua uma "transição justa" para os trabalhadores.

No Congresso da Confederação Europeia dos Sindicatos, que decorre em Paris, os líderes participaram numa ação fotográfica em torno de um logo gigante onde se podia ler: " Os nossos postos de trabalho dependem do nosso Planeta" e "Clima e emprego, a mesma luta".

 

Lista dos líderes sindicais que participaram na acção fotografica de hoje em Paris:
Bernadette Ségol (CES), Ignacio Toxo e Julio Salazar (Espanha), Laurent Berger, Françoise Geng e Jean-Claude Mailly (França), Jorma Malinen (Finlândia), Eva Nordmark, Göran Arrius e Karl-Petter Thorwaldsson (Suécia), Plamen Dimitrov e Dimitar Manolov (Bulgária), Erich Foglar (Áustria), Adrian Wütrich (Suíça), Josef Stredula (República Checa), Duzan Semolic (Eslovénia), Jozef Kollár (Eslováquia) , Carlos Silva (Portugal), Catelene Passchier (Países Baixos), Jan-Willem Goudriaan (EPSU), Martin Joffren (EUROCADRES), George Dassis (CESE).

Para vídeo da ação climática ver https://youtu.be/VndM8pyFSso

Ver vídeo (Youtube)

UGT no 13º Congresso da Confederação Europeia de Sindicatos

2015-09-29
UGT no 13º Congresso da Confederação Europeia de Sindicatos

 

A UGT participa, enquanto organização filiada , no 13º Congresso da Confederação Europeia de Sindicatos (CES), que se realiza em Paris, entre os dias 29 de Setembro e 02 de Outubro de 2015.

A Confederação sindical portuguesa estará representada por uma forte delegação liderada pelo Secretário-geral, Carlos Silva, pelos Secretários-gerais adjuntos, Luís Correia, Paula Bernardo e Dina Carvalho e por vários dirigentes executivos e sindicais.

Neste congresso os Secretários-gerais e/ ou presidentes de cerca de 90 organizações sindicais de 39 países europeus estarão entre as centenas de delegados que irão eleger os novos órgãos sociais e estabelecer as novas políticas para uma sociedade mais justa, empregos de qualidade e dos direitos dos trabalhadores.

Um grande evento sindical europeu a não perder.

Clique no AQUI para mais informações.

FOTOGALERIA