UGT - Comunicados

Pareceres

2013

Posição UGT para reunião da CPCS de preparação do Conselho Europeu

2013-12-18

Ponto único: INFORMAÇÃO PRÉVIA AOS PARCEIROS SOCIAIS, PELO SENHOR PRIMEIRO-MINISTRO, SOBRE O CONSELHO EUROPEU QUE SE REALIZARÁ NOS DIAS 19 E 20 DE DEZEMBRO EM BRUXELAS

Posição UGT - 10ª Avaliação da Troika

2013-12-11

A situação económica e social de Portugal é hoje muito preocupante, evidenciando todos os dados disponíveis que a recuperação económica será muito mais lenta que o esperado, tudo indiciando que, a não existir uma mudança de políticas, a mesma poderá sofrer ainda um agravamento.

Mais, o processo de ajustamento que se procurou realizar foi centrado na redução do nível de rendimento dos portugueses e dos custos do factor trabalho (salários, pensões e apoios sociais), pelo que se verificou um forte desequilíbrio nos sacrifícios impostos, centrados sobretudo nos trabalhadores e pensionistas, e a um agravamento das situações de pobreza e exclusão, motivadas quer pela forte redução do poder de compra das famílias, em virtude de uma redução do nível salarial, quer pelo agravamento do desemprego, que atinge hoje níveis dramáticos e sem precedentes.

Parecer da UGT sobre a Alteração à Portaria nº 128/2009, de 30 de Janeiro, Medidas Emprego-Inserção

2013-12-04

A UGT sempre considerou que os contratos emprego-inserção (CEI) e emprego-inserção + (CEI+) em apreço desempenham um papel muito importante no reforço da empregabilidade dos desempregados, enquanto instrumento de promoção da sua integração no mercado laboral e de melhoria das suas competências socio-profissionais. Qualquer alteração a este regime não pode pôr em causa o princípio fundamental de que estes contratos sejam aproveitados pelas empresas como mecanismo de contratação de trabalhadores para postos de trabalho permanentes de baixo custo para as entidades promotoras. Pelo contrário, o alargamento que agora se propõe deve ser acompanhado de uma monitorização reforçada, de forma a assegurar a sua correcta implementação.

As alterações que o Governo agora propõe são por si justificadas pela necessidade de ajustamento destas medidas à actual situação económica. Se por um lado concordamos com o alargamento das mesmas a outros públicos-alvo, que podem ter assim mais facilidade de acesso a medidas de activação, já no que se refere ao alargamento a entidades privadas do sector empresarial local, a UGT não pode deixar de expressar as suas reservas.

Parecer da UGT sobre a Proposta de Lei nº 182/XII (3ª) procede à primeira alteração à Lei nº 4/2007, de 16 de Janeiro, que aprova as Bases Gerais do Sistema de Segurança Social

2013-11-22

Com a presente iniciativa legislativa, o Governo apresenta uma proposta de alteração à Lei de Bases da Segurança Social, proposta esta que visa introduzir uma profunda alteração ao regime contributivo.

Por um lado, propõe-se que a idade de acesso à pensão de velhice seja ajustada de acordo com a evolução dos índices da esperança média de vida e, por outro, que o ano de referência da esperança média de vida possa ser livremente alterado “sempre que a situação demográfica e a sustentabilidade das pensões o exija”. No fundo, o Governo apresenta uma alteração profunda dos pressupostos em que assenta o regime actualmente em vigor, ao propor que a idade legal para aceder à pensão de reforma passe a poder ser alterada, em ultima análise, todos os anos em função da esperança média de vida.

Posição da UGT sobre o Orçamento do Estado para 2014

2013-11-06

UGT REJEITA O ATAQUE BRUTAL AOS TRABALHADORES, AOS PENSIONISTAS E ÀS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO

A UGT manifesta a sua rejeição à Proposta de Lei de Orçamento do Estado para 2014, que não responde às necessidades de crescimento económico e de emprego do País e que irá agravar o desemprego, a pobreza e as desigualdades sociais.

O Orçamento do Estado para 2014 apresentado na Assembleia da República constitui um novo e brutal ataque aos trabalhadores, pensionistas e aposentados, intensificando os incomportáveis níveis de austeridade impostos nos últimos anos.