UGT - Comunicados

Notícias

2021

UGT debate novas formas de organização e dinamização sindical

2021-04-09
UGT debate novas formas de organização e dinamização sindical

Maria Helena André, actual directora da ACTRAV/OIT, João Proença, ex-secretário-geral da UGT, e Pedro Roque, deputado pelo PSD na Assembleia da República foram os três oradores convidados para dar o pontapé de saída na conferência da UGT dedicada à “Organização Sindical e os seus dilemas face às transformações económicas, sociais e laborais”.

A sessão abriu com a intervenção do Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, que relembrou a necessidade de existência dos sindicatos, no presente e num futuro incerto, com alterações às tradicionais relações de trabalho, para as quais a negociação colectiva e a concertação social têm de ter papeis determinantes. O líder da UGT desafiou os convidados a relembrarem às novas gerações, as circunstâncias que levaram ao nascimento da UGT, a uma análise do actual momento sindical e aos desafios com que as organizações se depararão num futuro muito próximo.

 

“A UGT é a campeã na promoção do diálogo social em Portugal”

A primeira convidada, Maria Helena André, em videoconferência, lançou um alerta aos sindicatos para os desafios que se avizinham e para os quais as organizações devem ser inovadoras e criativas, porque não existirá um regresso “a janeiro de 2020”. A directora da ACTRAV fez uma breve reflexão sobre o actual quadro do mercado de trabalho e das relações laborais, recordando que no actual contexto, os mercados de trabalho protegem cada vez menos, existe uma reduzida cobertura da negociação colectiva, uma representatividade sindical cada vez mais baixa e surgem novos modelos de negócios, com as plataformas digitais e a economia digital. Para a convidada todas estas questões dividem e tornam a prática tradicional sindical completamente diferente.  

Perante uma nova realidade, o impacto da crise pandémica e as suas consequências, Helena André alerta para as sobrecargas que a crise trará aos vários sectores da economia, aos sistemas de saúde, às finanças públicas e aos rendimentos dos trabalhadores, com públicos, como as mulheres, os jovens e os trabalhadores atípicos a serem os mais vulneráveis e para os quais os devem ser direccionadas as políticas que surgirem no período de reconstrução pós-pandémico.

Para isso, existem algumas questões que devem ser colocadas aos sindicatos, designadamente como podem as organizações “reconstruir as nossas economias de uma forma mais resiliente e mais inclusiva, colocando a equidade e a igualdade no centro dessa reconstrução.” E acrescenta, deixando mais uma questão “como podem os sindicatos desempenhar um novo papel, colocando a justiça social no centro das discussões e negociações, e as pessoas, no centro do processo de desenvolvimento”.

Em forma de resposta às perguntas, a oradora reafirma que a “principal tarefa dos sindicatos é construir, reconstruir e reformar as instituições do mercado de trabalho”. E para que tudo isso aconteça, Helena André não tem dúvidas que “o veículo fundamental para tudo isto, é o diálogo social”, no qual a UGT dá cartas há muito anos, sendo “a campeã na promoção do diálogo social em Portugal”. Mas para que a concertação não seja uma mera passagem de informação, a responsável internacional acrescenta que a o diálogo social tem de “alargar as suas agendas, inovar e trazer novos temas para a mesa das negociações. “

Os sindicatos têm de reagir a todas as mudanças transformadoras e assim aumentarem o seu papel na sociedade, nas palavras de Maria Helena André, “os sindicatos têm de estar na linha da frente para a negociação do alargamento da proteção de todas e todos os trabalhadores, independentemente dos seu vínculo laboral.” Porque não existe “mais nenhuma organização da sociedade civil, sem ser as sindicais, que possa defender a justiça social, a paz, a democracia e dar voz a todos os trabalhadores, especialmente dos mais vulneráveis”, acrescenta. E deixa, em jeito de conclusão, quatro dimensões de transição para reflexão dos sindicatos: 1 - a representação sindical; 2 – a inovação dos serviços prestados pelos sindicatos aos seus membros; 3 – a consolidação sindical, com a diversidade, atomização, as diferentes visões entre as próprias organizações; 4 – a governança interna sindical. E por último, como podem os sindicatos utilizar de forma mais promissora as novas estratégias de comunicação. 

 

“O grande desafios dos sindicatos é a dinamização sindical e o papel da central”

O moderador Carlos Moreira, Presidente da Comissão de Juventude, passou a palavra ao ex-secretário-geral da UGT, João Proença que começou a sua intervenção referindo que o problema da organização sindical é um problema do futuro e que os sindicatos podem e devem organizar-se na resposta a uma melhor defesa dos interesses dos trabalhadores.

João Proença partiu de uma breve resenha de enquadramento da história e da cultura do movimento sindical português em comparação com as restantes estruturas sindicais europeias, referindo que não existe na Europa nenhuma organização igual do ponto de vista do modelo de funcionamento e da estruturação das relações de trabalho, prosseguindo no olhar pelas organizações, deu o exemplo em termos de taxa de sindicalização “dos países do sul da europa, Portugal deve o pais com maior taxa de sindicalização”. Passando pela constituição da UGT e as lutas pós 25 de Abril e o modelo de sindicatos, o antigo líder da UGT fez referência à constituição das Uniões, como estruturas autónomas, a par de uma estratégia de fortalecimento das federações, como passos importantes na criação de uma nova dinamização sindical.

Sendo a criação das uniões uma conquista, houve também derrotas, nomeadamente a tentativa de criação de uma rede de delegados nacionais e de estruturas sindicais ao nível das empresas, UGT empresas, referiu João Proença.

Para o antigo dirigente sindical, o grande desafio dos sindicatos é a dinamização da sindicalização e o papel da central nesta questão. Perante um mundo do trabalho em constante evolução e com a introdução de novas formas de relações de trabalho, a resposta poderá estar, na opinião de João Proença, na criação de dinâmicas regionais de sindicalização e no apoio à formação de quadros sindicais, exclusivamente dedicados à angariação de novos sócios.

 

“UGT teve uma atitude responsável, patriótica e histórica”

Já o antigo vice-secretário-geral da UGT e actual deputado, Pedro Roque, durante uma breve intervenção referiu o seu percurso sindical e destacou o importante papel da UGT, com uma “atitude responsável, patriótica e histórica”, na assinatura do acordo tripartido durante o período de resgate financeiro a Portugal, que levou à manutenção da paz social.

Pedro Roque deixou algumas dicas para o futuro e de como os sindicatos terão de se adaptar a um novo quadro de regulação do teletrabalho, das plataformas digitais e da constante precarização das relações de trabalho. O teletrabalho é matéria, que no entender do deputado, deve ser primeiramente negociada na concertação social. “O debate sobre o teletrabalho deve ser feito de forma tranquila, sem pressas, deixando espaço para a negociação colectiva”. Além disso, os trabalhadores das plataformas e a contínua precarização das relações de trabalho, terá de ter uma resposta por parte das organizações sindicais, sob pena de o seu papel ser secundarizado, advertiu.

Novas estratégias sindicais

O debate prosseguiu durante o período da tarde, com um painel representado por vários presidentes e secretários-gerais que abordaram as várias estratégias sindicais sectoriais. Com a moderação do Secretário-geral Adjunto, Sérgio Monte, estiveram presentes, o Presidente do Mais Sindicato, António Fonseca, a Secretária-geral do SINDITE, Dina Carvalho, o Secretários-gerais do SINTAP e do SINDEL, José Abraão e Rui Miranda, respetivamente, e em videoconferência, o Secretário-geral da FNE, João Dias da Silva.

Numa breve introdução, Sérgio Monte, voltou a reforçar a posição da UGT relativa ao teletrabalho, esclarecendo que os trabalhadores neste regime devem ser ter direito ao pagamento do subsídio de refeição, delegando as restantes questões, relativas à discussão e negociação deste regime, para a negociação colectiva. Nas restantes intervenções, os dirigentes sindicais fizeram uma breve apresentação dos diferentes sectores e das circunstâncias que determinam a actuação dos sindicatos, com propostas de resposta aos novos desafios que se lançam às organizações sindicais.

O encerramento desta conferência esteve a cargo da Presidente da UGT, Lucinda Dâmaso, que no seu discurso manifestou o orgulho no passado da UGT que levou à constituição de uma grande organização, que tem sido um forte pilar na construção diária e na consolidação da democracia.  Terminou com a ideia de que “temos de ter uma UGT e sindicatos diferentes para uma resposta aos novos temas do futuro”.

 

ANTENA 1 | UGT considera que o teletrabalho necessita de uma melhor regulamentação

2021-04-06
ANTENA 1 | UGT considera que  o teletrabalho necessita de uma melhor regulamentação

Em declarações na Antena Aberta, o Secretário-Geral Adjunto da UGT, Sérgio Monte, considera que a regulamentação do teletrabalho não deve ser feita no actual quadro de excepcionalidade.

Para o dirigente sindical, a lei geral do trabalho deve definir os princípios gerais do teletrabalho, ficando a cargo da negociação colectiva a definição mais cirúrgica de determinadas matérias.

© Antena 1

\

TSF | Plano de Recuperação e Resiliência é uma oportunidade única na recuperação da economia

2021-04-06
TSF | Plano de Recuperação e Resiliência é uma oportunidade única na recuperação da economia

O Plano de Recuperação e Resiliência é uma oportunidade única de recuperar e transformar a economia.

No Fórum TSF, o Secretário-geral adjunto da UGT, Sérgio Monte, afirma que, durante esta grave crise económica e social, os apoios à economia devem ser mantidos.

O dirigente sindical considera que o Plano de Recuperação e Resiliência é essencial para transformar e recuperar a economia.

“Se este plano estiver ao serviço da economia, das pessoas, no combate à pobreza, teremos uma oportunidade única de transformar o nosso modelo económico”, afirmou.

Para a construção de uma economia mais robusta, a UGT considera ser fundamental a criação de mais e melhor emprego, a melhoria das qualificações dos trabalhadores e uma maior justiça fiscal.

©TSF

 

Desfile no 25 de abril? UGT: "com uma pandemia não faz sentido mobilizar as pessoas"

2021-04-06
Desfile no 25 de abril? UGT: "com uma pandemia não faz sentido mobilizar as pessoas"

Carlos Silva, secretário-geral da UGT, não esquece a importância do 25 de abril mas defende que não faz sentido haver desfile na Avenida da Liberdade este ano por causa da crise sanitária.

Ver link

Mensagem de condolências pelo falecimento do Presidente da Câmara Municipal de Viseu

2021-04-05
Mensagem de condolências pelo falecimento do Presidente da Câmara Municipal de Viseu

A UGT, através do Secretário-geral, Carlos Silva, transmitiu as mais sentidas condolências à Câmara Municipal de Viseu, aos autarcas municipais e de freguesia, aos trabalhadores do município e a todos os Viseenses, pelo falecimento do seu Presidente, António Almeida Henriques.

“É com profundo pesar que venho, em meu nome pessoal e da UGT - União Geral de Trabalhadores de Portugal - transmitir as nossas mais sinceras condolências à Câmara Municipal de Viseu, aos seus autarcas municipais e de freguesia, aos trabalhadores do município e a todos os Viseenses, pelo falecimento trágico do seu Presidente, Dr. António Almeida Henriques. Nesta hora de profunda dor e tristeza, agravadas pelo facto de o seu desaparecimento ocorrer em pleno período Pascal, acreditamos que o seu exemplo de Homem Político e de autarca, de Viseense de corpo e alma, de defensor do bem comum e do desenvolvimento da sua terra, merecerá um lugar especial entre os seus, mas também entre todos os que com ele privaram e que foram distinguidos pela sua cortesia e amabilidade.

Agradecemos que possam transmitir as nossas condolências à família enlutada.”

Em solidariedade 

Pela UGT

O Secretário Geral

Carlos Silva