UGT - Comunicados

Notícias

2015

Secretário-geral da UGT em Vila Real

2015-05-21
Secretário-geral da UGT em Vila Real

Uma delegação da UGT, liderada pelo Secretário-geral, Carlos Silva, deslocou-se a Vila Real, a convite da união distrital para promover encontros com a autarquia, empresas e os trabalhadores da região.

Nesta iniciativa, a UGT foi recebida pelo Presidente da Câmara Municipal de Vila Real, Rui Santos. Seguiu-se a visita a uma empresa do grupo SousaCamp, que se dedica à produção, comercialização e distribuição de cogumelos. 

A comitiva da UGT teve ainda oportunidade de visitar o Centro de Formação Profissional de Vila Real e o Agrupamento de Escolas Diogo Cão. 

A deslocação a Vila Real terminou com a inauguração das novas instalações da UGT-Vila Real.


Esta iniciativa, à semelhança de outras deslocações que têm vindo a ser desenvolvidas pela Central noutros distritos, tem como objetivo uma maior aproximação aos problemas concretos dos trabalhadores e das suas empresas, particularmente ao modo como estas estão a lidar com as atuais dificuldades.

Nesta acção de proximidade aos trabalhadores e às empresas, o Secretário-geral da UGT fez-se acompanhar pela Presidente da Central, Lucinda Dâmaso, por  vários dirigentes do Executivo, pelo Presidente da UGT-Vila Real,  Alfredo Soeiro e pelos Secretários-gerais do SINTAP, José Abraão, do SITESE, Luís Azinheira e também pelo director do CEFOSAP, Jorge Mesquita.

FOTO-REPORTAGEM

VÍDEO

UGT reúne com Henrique Neto

2015-05-19
UGT reúne com Henrique Neto

A direcção da UGT, na pessoa do Secretário-geral, Carlos Silva, recebeu o candidato às eleições presidenciais, Henrique Neto.

Esta reunião agendada a pedido do candidato presidencial teve como objectivo auscultar a central sindical sobre as suas perspectivas sobre o futuro ao nível da economia, do crescimento económico e da questão do desemprego.

Em declarações aos jornalistas, no final da reunião, o Secretário-geral da UGT afirmou que transmitiu a Henrique Neto as preocupações que a central sindical fez verter no guião para a legislatura, documento apresentado aos partidos políticos e parceiros sociais no passado mês de Abril.

Segundo Carlos Silva, uma das mensagens mais importantes que foram transmitidas ao candidato a Presidente da República foi no sentido de ser necessário uma revalorização do factor trabalho. O líder da UGT acrescentou que foi também declarado que a Central está em pleno desacordo com as propostas apresentadas no último relatório do FMI que continua a pressionar o Governo e a opinião pública portugueses para a manutenção de uma política de austeridade e de empobrecimento.

Para a UGT, “um candidato à Presidência da República que quer ser, segundo o que nos foi transmitido, uma pessoa que ganhando as eleições quer ser um órgão interventivo, um órgão que respeita a separação de poderes, que não será apenas um inquilino do palácio de Belém. Naturalmente que a UGT compreende que um candidato com este sentir, é um candidato importante para o mundo do trabalho”, destacou o líder da central sindical.

Carlos Silva ressalvou que este pedido de reunião pelo candidato presidencial demonstra o seu respeito pelo movimento sindical e pela valorização do papel dos parceiros sociais no diálogo social.

Por seu lado, Henrique Neto, no final da reunião concordou com a proposta da UGT de aumento do salário mínimo no próximo ano, afirmando que “aumentar o salário mínimo dentro da razoabilidade que a UGT propõe é um factor de modernização da economia e não uma tragédia como muitos querem fazer crer”.

Ver fotos (Flickr)

Tomada de Posse do Órgãos Sociais do SBSI

2015-05-18
Tomada de Posse do Órgãos Sociais do SBSI

Os órgãos sociais do SBSI tomaram posse esta manhã, numa cerimónia que contou com a presença do Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, da Presidente, Lucinda Dâmaso, e de vários dirigentes executivos da Central.

Ver link

Secretário-geral da UGT critica proposta do FMI

2015-05-18
Secretário-geral da UGT critica proposta do FMI

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, considera incompreensível que a austeridade continue além do programa de intervenção da Troika e prometeu combater as posições do FMI.

"O FMI tem uma posição extremamente ideológica, pretendendo embaratecer o trabalho e retirar direitos e regalias laborais, o que levará os trabalhadores ao empobrecimento. A 'troika' saiu de Portugal em maio de 2014, mas o FMI volta à carga e nós temos de dizer não a esta cegueira", disse o sindicalista à Lusa.

Carlos Silva acusou o FMI de ser "uma máquina perversa de destruição dos direitos dos trabalhadores".

"Se Portugal e o seu Governo continuam manietados por uma organização que ataca os direitos dos trabalhadores, vai por mau caminho", afirmou.

Secretário-geral da UGT em Aveiro

2015-05-15
Secretário-geral da UGT em Aveiro

Carlos Silva, Secretário-geral da UGT, liderou uma delegação da Central que se deslocou ao distrito de Aveiro com o intuito de aumentar a proximidade com os empresários e trabalhadores da região e perceber as suas dificuldades diárias, um pouco à imagem do que tem sido feito em outras partes do País.

Nesta iniciativa, organizada pela UGT Aveiro, Carlos Silva teve a oportunidade de se reunir com o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, Fernando Caçoilo e visitar a empresa Pascoal e Filhos, S.A, na qual falou com os trabalhadores e administração, além de conhecer todas as infraestruturas da fábrica. O Secretário-geral e restante comitiva participaram ainda numa reunião na Associação Portuguesa da Cortiça (APCOR), em Santa Maria das Lamas e visitaram também o Centro de Formação Profissional e Industria de Cortiça, centro protocolado pela APCOR e o IEFP e que desenvolve formação profissional na área da cortiça.

No final da jornada, Carlos Silva lembrou que esta visita se insere na política de compromisso e sensibilização desenvolvido pela Central junto do sector empresarial, insistindo que este pode e deve continuar a investir em políticas que permitam a criação de mais e melhor emprego, não esquecendo, também, a necessidade de uma profunda reflexão sobre o aumento do salário mínimo, desafio lançado pela UGT nas últimas comemorações do 1.º de Maio.

FOTO-REPORTAGEM

Ver vídeo (Youtube)