UGT - Comunicados

Notícias

2020

UGC entrega Caderno Reivindicativo ao Secretário de Estado da Defesa do Consumidor

2020-03-06
UGC entrega Caderno Reivindicativo ao Secretário de Estado da Defesa do Consumidor

A Direção da UGC foi recebida, no dia 3 de março de 2020, pelo Excelentíssimo Senhor Secretário de Estado da Defesa do Consumidor, Engº. João Torres, tendo entregue o Caderno Reivindicativo da Política do Consumidor para 2020.

Aceda ao Caderno Reivindicativo da Política do Consumidor 2020 no link abaixo

FESAP organiza diversas ações de protesto em março

2020-03-03
FESAP organiza diversas ações de protesto em março

A FESAP anunciou esta terça-feira, em conferência de imprensa, que irá organizar uma série de ações de protesto que visam demonstrar que os trabalhadores estão unidos e dispostos a lutar para que sejam levados a cabo processos negociais sérios, que conduzam ao estabelecimento de compromissos e a resultados efetivos na resolução dos problemas que os afetam diariamente e que comprometem, de forma cada vez mais evidente, a qualidade dos serviços públicos prestados à população.

De cartas remetidas ao Primeiro-ministro, a uma campanha nacional para exigir melhores condições de trabalho, melhores salários e melhores serviços públicos, até à emissão de um pré-aviso de Greve para dia 20 de Março, foram algumas das iniciativas anunciadas pelo Secretário-geral da FESAP, José Abraão.

Leia a nota de imprensa da FESAP no link abaixo

Entrevista Rui Riso: "Nos próximos anos comissões serão um fator de concorrência entre bancos"

2020-03-02
Entrevista Rui Riso: "Nos próximos anos comissões serão um fator de concorrência entre bancos"

Veja no link abaixo a entrevista na íntegra do Presidente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas ao Dinheiro Vivo/TSF.

 

Ver link

FESAP vai anunciar formas de protesto e de luta a desenvolver em Março

2020-03-02
FESAP vai anunciar formas de protesto e de luta a desenvolver em Março

Na sequência do encerramento do processo negocial que culminou com a imposição, pelo Governo, de aumentos salariais ridículos e inaceitáveis de 0,3 % para os trabalhadores da Administração Pública, em reunião do seu Secretariado Nacional, a FESAP decidiu avançar com várias ações de luta e protesto que têm em vista levar um conjunto de matérias para a mesa das negociações com o Governo, procurando, pela via negocial, alcançar resultados e compromissos sólidos e tendentes à resolução dos problemas que afetam o dia-a-dia dos trabalhadores da Administração Pública e, consequentemente, afetam o próprio funcionamento dos serviços públicos.

Essas ações de luta e protesto serão tornadas públicas na próxima terça-feira, 3 de março, pelas 15h00, em conferência de imprensa que se realizará na sede da FESAP, sita na Rua Damasceno Monteiro, 114, em Lisboa.

Entre as matérias que a FESAP pretende negociar urgentemente com o Governo, destacamos:

 

- a necessidade de celebrar acordos salariais anuais ou plurianuais que permitam colocar as remunerações da Administração Pública numa trajetória de recuperação de poder de compra e não de perda, como continua a verificar-se;

- a atualização do subsídio de refeição, das ajudas de custo e dos suplementos remuneratórios;

- a revisão das carreiras;

- a contagem de todo o tempo de serviço de todos os trabalhadores para efeitos de progressão na carreira;

- o alargamento da ADSE;

- a devolução de três dias de férias injustamente retirados durante o PAEF.

CPCS - UGT quer 35 horas de trabalho para todas e todos os trabalhadores

2020-02-27
CPCS - UGT quer 35 horas de trabalho para todas e todos os trabalhadores

Os parceiros sociais estiveram esta quarta-feira (26 de Fevereiro) reunidos para dar continuidade à discussão do tema da conciliação entre a vida profissional, pessoal e privada.

Durante o encontro, o Governo propôs a criação de uma licença paga de trabalho a tempo parcial por 12 meses a quem tem filhos até seis anos de idade. O Executivo pretende que esta modalidade seja acessível a homens e mulheres no quadro da licença complementar de parentalidade que, atualmente, já prevê a redução do horário por 12 meses, mas com corte na retribuição.

No final da reunião, em declarações aos jornalistas, a Presidente da UGT, Lucinda Dâmaso, considerou que o encontro foi apenas para debate de ideias, sem qualquer concretização ou apresentação de propostas, tendo sido apenas a central sindical a apresentar a proposta de 35 horas semanais para todas e todos os trabalhadores, do sector público ao privado.

“A única proposta concreta foi a da UGT com as 35 horas semanais para todas e todos os trabalhadores”, afirmou a dirigente sindical.

Para Lucinda Dâmaso, para um debate efectivo sobre a conciliação, a questão o horário de trabalho tem de ser uma questão prévia à discussão.

Além da remuneração dos horários reduzidos com a criação de uma nova licença de part-time, o Governo quer também aumentar a partilha do tempo de licença parental inicial entre pais e mães, com o objectivo de que os pais usufruam de pelo menos 40% do tempo, que atualmente até aos 150 dias sem redução da retribuição. Outra proposta pretende garantir que a lei não discrimina pais adotantes em nenhuma das condições de apoio à parentalidade existentes.

Os parceiros sociais irão analisar as propostas e terão de apresentar os seus contributos até ao próximo dia 4 de Março.