UGT - Comunicados

Notícias

2020

O.E. 2020 - UGT constata a existência de posições coincidentes com B.E nas áreas sociais

2020-01-08
O.E. 2020 - UGT constata a existência de posições coincidentes com B.E nas áreas sociais

Uma delegação da UGT reuniu, no dia 08 de Janeiro, com o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda, na Assembleia da República e ficou agradada com o facto de o partido acompanhar as preocupações da central em relação àquilo que é a política salarial.

Em declarações à UGT TV, o Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, referiu que no âmbito da discussão da proposta do Orçamento do Estado para 2020, nas reuniões com os grupos parlamentares foram colocadas duas questões: o que resta para um acordo de concertação social quando a parte destinadas aos empregadores está reiterada na proposta do O.E? E o que resta para salários, quando para os trabalhadores nada está integrado no diploma?

Carlos Silva reafirmou que este “não é um bom orçamento, porque não reflecte a parte fundamental para o movimento sindical, que é o rendimento dos trabalhadores”.

Na reunião com o Bloco de Esquerda, à semelhança dos restantes grupos parlamentares, a central sindical pediu que acompanhassem as preocupações da UGT, para que o Orçamento do Estado para 2020 “veja vertido no seu figurino final uma melhoria clara dos salários dos trabalhadores da Administração Pública, uma reposição de rendimentos” e uma revisão dos escalões e taxas de IRS já em 2020.

Ao longo da semana, a UGT tem vindo a reunir-se com os vários grupos parlamentares estando marcada para dia 9 uma reunião com o PSD, no dia !0 com o CHEGA e no dia 13, com o LIVRE.

Veja as declarações do Secretário-geral na UGT TV

UGT reúne com GP do CDS-PP

2020-01-07
UGT reúne com GP do CDS-PP

Uma delegação da UGT constituída pelo Secretário-geral, Carlos Silva, pela Presidente, Lucinda Dâmaso, e pelos Secretários-gerais Adjuntos, Sérgio Monte, Paula Bernardo e José Cordeiro, foram recebidos esta terça-feira (7 de Janeiro) na Assembleia da República, pelo Grupo Parlamentar do CDS-PP.

No final do encontro em declarações à RTP, o Secretário-geral da UGT voltou a considerar o Orçamento do Estado deveria ser mais ambicioso. O líder sindical reiterou as preocupações da central em relação à necessidade de valorização dos salários e dos rendimentos, matérias que foram acolhidas pela deputada Cecília Meireles.

Veja as declarações do Secretário-geral da UGT

 

UGT representada na tomada de posse da nova direcção do STI

2020-01-07
UGT representada na tomada de posse da nova direcção do STI

Uma delegação da UGT composta pelos Secretários Executivos, Carlos Alves, Luís Costa, Emanuel Boieiro e João Moreira, esteve presente, no dia 07 de Janeiro, na tomada de posse da nova direcção do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI), que elegeu Ana Gamboa como a nova presidente da organização.

Durante da sessão de tomada de posse dos novos elementos dos conselhos directivo e fiscal, que se realizou em Lisboa, a nova presidente afirmou a disponibilidade da nova direcção eleita para colaborar com os todos interlocutores na busca de melhores condições para a dignificação dos trabalhadores da organização sindical, “sobretudo no que respeita às questões relacionadas com as carreiras e com as condições de trabalho”.

A UGT, nas palavras do Secretário Executivo, Carlos Alves, constatou os desafios que os trabalhadores dos impostos irão enfrentar no futuro, muitos deles comuns à maioria dos funcionários públicos, nomeadamente no que diz respeito às carreiras, à valorização salarial ou à avaliação de desempenho. O dirigente sindical manifestou também a abertura da central sindical para aprofundar o relacionamento com os sindicatos, designadamente com o STI, para em conjunto lutarem pela melhoria das condições de trabalho dos portugueses.

As eleições para escolha dos novos órgãos diretivos do STI ocorreram nos dias 20 e 21 de novembro, tendo a lista vencedora sido eleita com 69,16% dos votos.

UGT faz o balanço da reunião com o GP do PEV

2020-01-06
UGT faz o balanço da reunião com o GP do PEV

No final da reunião com o Grupo Parlamentar do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV), o Secretário-geral Adjunto da UGT, Sérgio Monte, fez um breve balanço do encontro.

O dirigente sindical demonstrou a sua satisfação por o PEV ir ao encontro das preocupações da UGT em relação à proposta do Orçamento do Estado para 2020, tendo manifestado que iriam propor alterações aquando da discussão na especialidade, que valorizassem os trabalhadores portugueses.

A UGT fez-se representar nesta audiência pelos Secretários-Gerais Adjuntos, Sérgio Monte, Paula Bernardo e José Cordeiro.

Veja as declarações do Secretário-geral Adjunto, Sérgio Monte

 

UGT recebida pelo PAN na Assembleia da República

2020-01-06
UGT recebida pelo PAN na Assembleia da República

Uma delegação da UGT constituída pelos Secretários-gerais Adjuntos, Paula Bernardo e José Cordeiro, e pelo Secretário Executivo, Carlos Alves, foi recebida no dia 3 de janeiro, na Assembleia da República para uma reunião com o Partido das Pessoas, dos Animais e da Natureza (PAN).

A iniciativa deste encontro foi da UGT, com o objectivo de apresentar as preocupações da central sindical sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2020.

No final do encontro, a Secretária-geral Adjunta, Paula Bernardo, em declarações à Lusa afirmou que a UGT disse claramente que espera que “no quadro da discussão em sede parlamentar possam ser introduzidas alterações e melhorias que possam ir ao encontro das preocupações mais urgentes e prementes que a UGT tem face ao O.E”.

Para a dirigente sindical o mais importante é “a valorização dos trabalhadores e dos rendimentos do trabalho, quer no privado quer no público, onde a proposta de actualização dos salários é manifestamente insatisfatória e inaceitável à luz do contexto actual”.

A Secretária-geral Adjunta da UGT critica “uma proposta que o Governo avança em linha com a inflação do ano passado e não em linha com 2020, o que significará que depois de uma década em que os trabalhadores da administração pública viram o seu salário estagnado, irão perder poder de compra, o que é inaceitável”.