UGT - Comunicados

Notícias

2019

Entrevista Público/Renascença - Líder da UGT apela a Marcelo e acusa ministros de "desrespeito"

2019-02-14
Entrevista Público/Renascença - Líder da UGT apela a Marcelo e acusa ministros de "desrespeito"

Em entrevista ao Público e Renascença, o Secretário-geral da UGT diz que o país vive “um sobressalto cívico e sindical” e aponta o dedo ao actual Governo que “alimentou expectativas acima das suas possibilidades”. Carlos Silva explica também as diferenças em relação à CGTP e revela que aconselhou o SINDEPOR a “parar para pensar”.

Leia a entrevista na íntegra no link abaixo

UGT/FESAP/FNE - GREVE NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

2019-02-13
UGT/FESAP/FNE - GREVE NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

14 DE FEVEREIRO CONCENTRAÇÃO DE DELEGADOS DIRIGENTES E ATIVISTAS SINDICAIS DEFRONTE DO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Para vosso conhecimento, passamos a fornecer-vos informar-vos acerca das horas e locais onde se desenvolverão ações no âmbito da Greve Nacional da Administração Pública que terá lugar nos dias 14 e 15 de fevereiro de 2019, bem como os contactos de dirigentes aos quais poderão recorrer para fazerem reportagens no terreno ou recolherem informações sobre a Greve.

DIA 14 DE FEVEREIRO (quinta-feira)

14h30m – CONCENTRAÇÃO DE DELEGADOS, DIRIGENTES E ATIVISTAS SINDICAIS, junto do Ministério das Finanças, Lisboa;

15h00m – Intervenções do Secretário-geral da FESAP, José Abraão, do Presidente da FNE, João Dias da Silva, da Presidente da UGT, Lucinda Dâmaso, e do Secretário-geral da UGT, Carlos Silva;

16h00m – Delegação de dirigentes sindicais entregam uma resolução conjunta da FESAP e da FNE no Ministério das Finanças contendo as preocupações dos trabalhadores;

23h00 – Piquete de Greve nas Oficinas do Juncal dos SIMAR Loures/Odivelas, sitas Rua Francisco Canas 2660-500 Santo Antão do Tojal (Loures), com a presença do Secretário-geral da FESAP, José Abraão.

DIA 15 DE FEVEREIRO (sexta-feira)

08h00m – Piquete na Escola Básica e Secundária Passos Manuel (Travessa do Convento de Jesus, 1249-027 Lisboa), com a presença do Secretário-geral da FESAP, José Abraão e do Presidente da FNE, João Dias da Silva, que estarão disponíveis para prestar declarações aos Sr.s jornalistas.

Em horário a definir – Conferência de Imprensa FESAP/FNE – Sede da FESAP (Rua Damasceno Monteiro, 114, 1170-113 Lisboa) José Abraão e João Dias da Silva farão o ponto de situação da Greve.

TSF - UGT preocupada com o tom de ameaça em relação ao direito à greve

2019-02-06
TSF - UGT preocupada com o tom de ameaça em relação ao direito à greve

Numa reacção à entrevista o Primeiro-ministro, o Secretário-geral adjunto da UGT, Sérgio Monte, mostrou-se preocupado com o facto de António Costa ter mudado de atitude quanto aos trabalhadores. A propósito da greve dos enfermeiros, Sérgio Monte disse que no discurso de António Costa onde antes havia otimismo e disponibilidade para o diálogo há agora ameaças.

"Há nitidamente no seu discurso uma alteração do registo. Nós estávamos habituados a ouvir um primeiro-ministro otimista, ponderado, com bom senso, a tentar sempre o diálogo e o consenso. Agora, aparece-nos o primeiro-ministro implicitamente ameaçando, implicitamente dizendo que a greve é ilegal. Isso preocupa-nos, porque já andamos cá há uns anos e os vários governos - sejam de centro, de esquerda ou de direita - já nos habituaram a quando são confrontados com a sua incapacidade negocial, com a sua incompetência para resolver diferendos, tentam atacar até alterando a lei da greve ou socorrendo-se da requisição civil."

A UGT afirma claramente que os enfermeiros estão numa luta justa e em concordância com a lei. “Os sindicatos dos enfermeiros, o que está filiado na UGT, bem como o outro que convocaram esta greve cumpriram todos os requisitos legais”.

Para Sérgio Monte, o Governo deveria voltar a mesa das negociações e tentar encontrar um consenso pela via do diálogo.

“O Governo em vez de estar preocupado em dizer que a greve é ilegal, em tentar recorrer à requisição civil, deveria sentar-se à mesa e preocupar-se em negociar com os sindicatos.”

Para a UGT o Governo está a usar, implicitamente, uma estratégia de ameaça para limitar o direito à greve.

Recorde-se que a central sindical divulgou um comunicado ao final da tarde, onde rejeita os ataques ao direito a greve. 

Oiça a reacção do Secretário-geral Adjunto da UGT, no Fórum TSF, à entrevista do Primeiro-ministro onde admite recorrer a uma requisição civil para travar a greve dos enfermeiros.

UGT TV - SINDEP - Governo mantém uma postura intransigente nas negociações

2019-02-05
UGT TV - SINDEP - Governo mantém uma postura intransigente nas negociações

A vice Secretária-geral do Sindicato Nacional e Democrático dos Professores (SINDEP), Paula Correia, acusa o Governo de manter uma postura intransigente nas negociações com os sindicatos do sector da Educação. 

O SINDEP continuará a lutar pelos 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço congelado. Pela regularização das ultrapassagens ocorridas no processo de reposicionamento e por uma aposentação mais favorável.

SINDEP apela à união de todos os professores na Greve da Administração Pública!

UGT congratula-se com Menção Honrosa do Prémio António Dornelas atribuída ao II Volume da História da central

2019-02-04
UGT congratula-se com Menção Honrosa do Prémio António Dornelas atribuída ao II Volume da História da central

A UGT congratula-se com a atribuição da Menção Honrosa do Prémio António Dornelas aos historiadores José Maria Brandão de Brito e Maria Cristina Fernandes Rodrigues pela autoria do II volume do livro “A UGT na história do movimento sindical português 1990-2010”, uma obra elaborada a pedido da central sindical.

Este livro parte do enquadramento nacional e europeu das duas décadas a que se refere para uma reflexão sobre o futuro do trabalho e os desafios que se colocam ao sindicalismo. De seguida faz uma viagem à vida político-sindical do País, iniciando com a celebração do Acordo Económico Social, em outubro de 1990, passando pelos governos do PSD liderados por Cavaco Silva, a mudança de ciclo político encetado pelo PS e os governos de António Guterres, os governos chefiados por Durão Barroso e Santana Lopes, terminando, na fase final do tempo que a obra alcança, pelo governo de José Sócrates. No final desta obra destacam-se algumas questões temáticas, com enfoque para a concertação social.

O Prémio António Dornelas, criado pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS) destina-se a premiar trabalhos científicos ou técnicos elaborados por estudantes, investigadores e docentes universitários, nas áreas do trabalho, emprego, formação profissional e relações laborais, segurança social e solidariedade, bem como da inclusão de pessoas com deficiência.

Este prémio é também uma homenagem ao professor universitário António Dornelas, sociólogo, especialista em assuntos laborais, coordenador do Livro Verde das Relações Laborais de 2006, investigador do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia, assessor do Presidente da República para o Trabalho e Assuntos Sociais e Secretário de Estado do Trabalho e Formação.