UGT - Comunicados

Notícias

2020

Newsletter UGT | N.º 17 | OUTUBRO 2020

2020-11-12
Newsletter UGT | N.º 17 | OUTUBRO 2020

Leia a 17.ª edição da newsletter da UGT no link abaixo

Ver link

UGT acompanha preocupações da CES na preparação da cimeira social de 2021

2020-11-11
UGT acompanha preocupações da CES na preparação da cimeira social de 2021

O primeiro-ministro recebeu esta quarta-feira na residência oficial o Secretário-Geral da Confederação Europeia de Sindicatos (CES), Luca Visentini, que se fez acompanhar pelos Secretários-gerais da UGT e da CGTP, Carlos Silva e Isabel Camarinha, respectivamente.

Durante este encontro, o primeiro-ministro português e o líder da CES procuraram concertar posições para as prioridades a ter em consideração na cimeira informal de chefes de Estado e de Governo da União Europeia, que terá lugar durante a presidência portuguesa, a 08 de Maio do próximo ano, no Porto, e que será dedicada ao pilar europeu dos direitos sociais.

No final do encontro, em conferência de imprensa, o chefe do governo português afirmou que é sua pretensão que saia dessa cimeira “uma declaração tripartida, que envolva as instituições europeias, os Estados-membros, os sindicatos e as confederações patronais sobre o plano de ação para a próxima década no desenvolvimento do pilar social da União Europeia”.

Por sua vez, o Secretário-geral da CES, Luca Visentini, elogiou esta prioridade da presidência portuguesa da U.E. e observou que a cimeira informal agora prevista para o Porto ultrapassa a dimensão política que teve a reunião de chefes de Estado e de Governo de Gotemburgo, na Suécia, no final da década de 90, quando foi lançado o pilar social europeu.

Ao contrário do que se passou na cimeira de Gotemburgo, segundo Luca Visentini, desta vez, na reunião de alto nível do Porto, não só dos chefes de Estado e de Governo, assim como dos responsáveis máximos das instituições europeias, estarão presentes, mas haverá igualmente uma participação ativa dos parceiros sociais.

Para o líder da CES esta iniciativa ganha especial importância porque, durante a atual crise pandémica, os salários "baixaram dramaticamente" e a diferença salarial aumentou "significativamente" na União Europeia.

Já o líder da UGT, Carlos Silva, destacou que a central sindical está filiada na CES "há 40 anos" e referiu que "subscreve as preocupações" antes transmitidas pelo secretário-geral da confederação europeia.

"Em relação à política nacional, a UGT reserva-se para dar hoje à tarde mais uma vez o seu contributo em termos tripartidos", apontou Carlos Silva, numa alusão à concertação social.

(Créditos das Fotos: Paulo Vaz Henriques/GB P.M.)

Presidente do Grupo II do CESE em Portugal para debater as prioridades da presidência portuguesa na U.E

2020-11-06
Presidente do Grupo II do CESE em Portugal para debater as prioridades da presidência portuguesa na U.E

O Presidente do Grupo dos Trabalhadores (Grupo II) do Comité Económico e Social Europeu (CESE), Oliver Ropke, encontra-se em Lisboa para reuniões no âmbito da preparação da próxima presidência portuguesa da União Europeia.

Durante a manhã, uma delegação da UGT, composta pelo seu Secretário-geral, Carlos Silva, e pelo Secretário Geral Adjunto, José Cordeiro, receberam este dirigente nas instalações da central sindical.

No período da tarde, Carlos Silva acompanha Oliver Ropke nas reuniões com a Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho e com José Vieira da Silva, o Conselheiro para a Organização da Conferência Social da Presidência Portuguesa da U.E.

Em ambos os encontros estarão em cima da mesa as prioridades da próxima presidência portuguesa e a implementação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais.

Na sua breve passagem por LIsboa, o Presidente do Grupo II do CESE deixa uma mensagem ao movimento sindical português.

UGT favorável ao estado de emergência que não volte a cortar rendimentos

2020-11-04
UGT favorável ao estado de emergência que não volte a cortar rendimentos

A UGT mostrou-se favorável a um estado de emergência, que não feche a economia e que não corte os rendimentos dos trabalhadores.

Em declarações aos jornalistas, o líder da UGT deixou ainda um apelo para que as medidas de combate à pandemia sejam uniformizadas.

"A nossa posição é favorável ao estado de emergência desde que não feche a economia e não prejudique os trabalhadores deste país, nomeadamente em situação idêntica ao que aconteceu com o lay-off. Não queremos mais cortes salariais", disse Carlos Silva em declarações à saída da audiência em Belém.

Reveja as declarações do Secretário-geral da UGT no link abaixo

Ver link

TSF | UGT avalia eventual estado de emergência

2020-11-03
TSF | UGT avalia eventual estado de emergência

Numa avaliação à entrevista de ontem do Presidente da República à RTP, o Secretário-geral da UGT considerou que o Chefe de Estado transmitiu serenidade e mostrou “cumplicidade com o Governo no sentido de se reforçarem as medidas de combate à pandemia”.

Em resposta à possibilidade de o Governo poder recorrer a funcionários públicos para reforçar as equipas de saúde que fazem rastreios e acompanhamento de casos suspeitos de infecção, Carlos Silva, afirma que cabe ao Executivo avaliar essa questão, devendo ser chamados os funcionários públicos habilitados profissionalmente para as questões de saúde, sob pena de “um alastramento a toda a Função Pública poder ter alguns riscos”.

Para Carlos Silva é essencial “avaliar as capacidades de resposta do SNS para reforçar a prevenção dos portugueses”.

O líder da UGT assumiu ainda não ter qualquer objecção ao recolher obrigatório, apesar de não ter sido esta a opção do Governo. 

Em relação aos trabalhadores e à obrigatoriedade do teletrabalho, o dirigente sindical vê com bons olhos esta medida, desde que sejam aplicadas regras, algumas delas já sugeridas pela central em sede de concertação social.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recebe esta terça-feira a delegação da UGT, composta pelo seu Secretário-Geral e a Presidente, para os ouvir sobre o eventual estado de emergência.

© TSF