UGT - Comunicados

Notícias

2019

Fórum TSF: UGT sobre a alteração da idade de Reforma

2019-12-03
Fórum TSF: UGT sobre a alteração da idade de Reforma

Em declarações ao Fórum TSF sobre a idade de reforma, a Secretária-geral Adjunta da UGT, Paula Bernardo, afirmou que há muito que a central sindical defende a definição de uma idade fixa para a idade de reforma, pela previsbilidade que este factor introduz, quer pela possibilidade de os trabalhadores poderem gerir a sua carreira contributiva.

Para a dirigente sindical é importante que esta matéria volte a ser revisitada em sede de concertação social. Aliás a questão da Segurança Social, no que diz respeito à sua sustentabilidade, ou a idade de reforma, foram algumas das matérias propostas pela central sindical na preparação da agenda da concertação social para a os próximos meses.

UGT homenageada no 2.º Aniversário do SINDEPOR

2019-12-01
UGT homenageada no 2.º Aniversário do SINDEPOR

O SINDEPOR (Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal) assinalou o seu 2.º aniversário este sábado, numa cerimónia que teve lugar em Évora, e na qual a UGT se fez representar pelo seu Secretário-geral, Carlos Silva, pelo Secretário-geral Adjunto, Sérgio Monte, pelo Secretário Executivo, Luís Costa, e pelo assessor João Queiróz.

Durante a iniciativa, os quatro representantes da central sindical foram homenageados com a atribuição da condição de sócios honorários do SINDEPOR. Além dos dirigentes sindicais, a recém-eleita Bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, foi igualmente agraciada com a atribuição do mesmo título honorífico.

Clique no link abaixo para aceder à Fotogaleria

Ver fotos (Flickr)

40.º Aniversário - SINTAP debate o papel dos sindicatos na sociedade e na Administração Pública

2019-11-30
40.º Aniversário - SINTAP debate o papel dos sindicatos na sociedade e na Administração Pública

O SINTAP (Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos), filiado na UGT, assinalou no dia 29 de Novembro, o seu 40.º Aniversário, com a realização de uma conferência que abordou o tema do “Papel dos Sindicatos na Sociedade e na Administração Pública” e na qual estiveram presentes a Presidente da UGT, Lucinda Dâmaso, a Directora da ACTAV da OIT, Helena André, o Administrador do Banco de Portugal, Hélder Rosalino, bem como o Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, e o Secretário de Estado da Administração Pública, José Couto.

Numa cerimónia que homenageou os fundadores do SINTAP, João Proença na qualidade de primeiro Secretário-geral do SINTAP dirigiu algumas palavras à audiência e deixou o recado que é preciso repensar o direito à negociação colectiva na Administração Pública. 

“É um cumprimento formal da lei porque o Governo é obrigado a ouvir os sindicatos, mas no fundo não negoceia. Já sabem que é difícil, fazem propostas para ouvir os sindicatos, mas não estão a tentar obter acordo. Isso é profundamente negativo, tem que se voltar ao espírito da negociação que serve para celebrar acordos”, defendeu o sindicalista.

O mesmo foi defendido pelo Secretários-gerais da UGT e do SINTAP. 

José Abraão destacou que depois dos sacrifícios impostos aos trabalhadores do Estado, estes aguardam que o próximo ano seja um ano de reconhecimento e dignificação.

José Abraão lembrou ao secretário de Estado da Administração Pública, que esteve presente em toda a sessão, que os salários dos trabalhadores do sector, hoje, valem menos do que há dez anos, em 2009, quando foram aumentados pela última vez.

Também o Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, na sessão de encerramento frisou que o Governo tem de dar o exemplo. Enquanto patrão de 700 mil funcionários públicos, não pode exigir aos privados aquilo que ele próprio não cumpre. Para o líder da UGT, os aumentos na Administração Pública não podem ser inferiores a 2,7%, tendo por base o que está a ser negociado em sede de concertação social no acordo de política de rendimentos.

Em resposta aos três sindicalistas, o Secretário de Estado afirmou a disponibilidade para negociar e alcançar um acordo, contudo acrescentou que a tentativa de se alcançar um acordo vale por si só: às vezes o caminho é tanto ou mais importante do que o próprio resultado.

 

Declarações do Secretário-geral da UGT à saída da reunião da CPCS

2019-11-27
Declarações do Secretário-geral da UGT à saída da reunião da CPCS

O Governo propôs um aumento de salários para os próximos anos acima da soma da inflação e da produtividade. Os valores apresentados aos parceiros sociais vão dos 2,7% em 2020 e os 3,2% em 2023.

No final da reunião em declarações aos jornalistas, o Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, defendeu que o referencial apresentado é "um bom indicador" e mostrou-se satisfeito com a queda do mito das entidades patronais que achavam que aprodutividade estava baixa e que isso era condicionante para a evolução dos salários.

Veja as declarações do Secretário-geral da UGT no final da reunião

UGT presente no 44.º aniversário da CAP em Tomar com Conselho de Presidentes

2019-11-26
UGT presente no 44.º aniversário da CAP em Tomar com Conselho de Presidentes

A UGT, representada pelo Secretário-geral, Carlos Silva, pelo Secretário-geral Adjunto, Sérgio Monte, e pelo Secretário Executivo, Luís Costa, marcaram presença na cerimónia de encerramento do Conselho de presidentes, iniciativa inserida nas comemorações do 44.º Aniversário da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP). 

Neste Conselho de Presidentes, que reuniu em Tomar os actuais e antigos líderes da organização, marcaram presença o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa e a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque.

No discurso de encerramento, o Presidente da República, abordou a problemática das alterações climáticas e das políticas agrícola e florestal, defendendo também a concertação social e a necessidade de ser alcançado um acordo sobre competitividade e rendimentos. No final da sua intervenção, Marcelo Rebelo de Sousa atribuiu à CAP a condecoração de Membro Honorário da Ordem de Mérito Empresarial, na vertente Agrícola.

Esta reunião de presidentes da CAP servirá para lançar os eixos de acção desta organização para a próxima década, numa altura em que se discute na União Europeia, o futuro da Política Agrícola Comum (PAC).