UGT - Comunicados

Notícias

2019

CRL apresenta Relatório Anual sobre Emprego e Formação Profissional

2019-07-03
CRL apresenta Relatório Anual sobre Emprego e Formação Profissional

O Centro de Relações Laborais (CRL) apresentou no dia 02 de julho, o Relatório Anual sobre Emprego e Formação Profissional 2018, numa sessão presidida pelo Secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita.

O documento tornado público disponibiliza um conjunto de informações sobre as questões do emprego e formação profissional, bem como de outras variáveis relacionadas com o mercado de trabalho português, nomeadamente as matérias de segurança e saúde no trabalho, que contribuem para uma melhor compreensão do contexto do mundo do trabalho e da situação económica que o enquadram.

O relatório apresentado confirma que desde 2015 foram criados 150 mil empregos para trabalhadores entre os 55 e os 64 anos, o que representa um aumento de 22.2%, tornando este intervalo etário como aquele em que se regista o maior crescimento do volume de emprego.

Em termos globais, o volume de emprego em 2018 atingiu o valor mais elevado dos últimos nove anos (com mais de 4.6 milhões de pessoas empregadas). Contudo, no último ano, o número de pessoas empregadas foi menos do que aquele que se verificou no ano homólogo (2017). “O aumento do emprego permitiu que a taxa de emprego tenha chegado aos 55%”, como refere o relatório, que acrescenta também que tal como 2017, Portugal superou a média comunitária neste ponto.

O relatório acolheu um conjunto de matérias adicionais propostas quer pelos diferentes membros do Plenário do CRL, quer pela Comissão Científica para o Emprego e Formação Profissional do CRL, questão destacada pelo Presidente do CRL, Sérgio Monte, que ressalvou o papel do CRL e os resultados por ele produzidos considerando que “são emblemáticos do que é e deve ser o diálogo social tripartido”.

Em relação ao conteúdo do relatório, Sergio Monte destacou “os importantes progressos registados pelo mercado de trabalho, a que não são alheios o crescimento económico e as políticas públicas adoptadas”. Apesar de “ainda não termos atingido o volume de emprego do pré-crise, ou ainda termos elevados níveis de segmentação, constatamos que tais progressos se traduzem na criação de postos de trabalho, na redução do desemprego e no aumento das taxas de actividade”. Concluiu afirmando que apesar dos sinais de melhoria verificados, as remunerações continuam baixas e a recuperação de salários lenta.

Consulte o Relatório AQUI

INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DO CRL

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO DO EMPREGO

 

Fotobiografia - Um olhar pelos 40 anos de historia da UGT

2019-07-03
Fotobiografia - Um olhar pelos 40 anos de historia da UGT

A UGT lançou a sua primeira fotobiografia, 40 anos depois da sua fundação.

Numa sessão pública com uma plateia repleta de dirigentes sindicais, parceiros sociais e diversas individualidades que marcam o panorama político português, num local que tem o rio Tejo como espectador, o restaurante D’Bacalhau, no Parque das Nações, a UGT fez história com a sua história relembrando com orgulho o seu papel na sociedade portuguesa, na defesa do sindicalismo democrático e de proposição, de diálogo e de concertação na defesa da paz social e de Portugal.

A apresentação da obra esteve a cargo da directora de informação da RTP, Maria Flor Pedroso, que teve a seu lado a deputada Wanda Guimarães, presente em representação do Presidente da Assembleia da República, do Secretário-geral e Presidente da UGT, Carlos Silva e Lucinda Dâmaso, respectivamete, e do editor do livro, Ricardo Nogueira.

Num discurso transversal todos destacaram a vida da UGT, os dirigentes que a lideram, os momentos de luta e de concertação, mas para todos reafirmaram que o sindicalismo responsável, de valores, de diálogo e de luta (na rua e por ideais) defendido pela UGT ao longo de 40 anos, muito contribuíram para que os trabalhadores tivessem hoje mais e melhores direitos.

Veja a AQUI a fotogaleria

SINDEQ - Dois dias de luta na Alfatubo

2019-07-02
SINDEQ -  Dois dias de luta na Alfatubo

Dois dias de luta na Empresa Alfatubo - Plásticos Técnicos, em Vila Nova de Famalicão.

O SINDEQ (Sindicato das Indústrias e Afins), filiado na UGT, convocou uma greve para os dias 01 e 02 de julho e anunciou a realização de uma manifestação geral, no dia 02 de julho, pelas 09h30, à porta das instalações da fábrica.

Em causa está a inexistêcia de diálogo credível com a administração em matérias importantes como: a requalificação de categorias profissionais, a formação profissional, higiene e segurança no trabalho, entre outras.

Leia o comunicado do SINDEQ na íntegra no link abaixo

 

 

SINTAP - Plenário com Assistentes do pré-escolar e jardins de infância

2019-07-02
SINTAP - Plenário com Assistentes do pré-escolar e jardins de infância

O Secretário-geral do SINTAP, José Abraão, e o Coordenador da Secção Regional do Alentejo, Joaquim Grácio Ribeiro, acompanhados de outros dirigentes sindicais nacionais e regionais do SINTAP, vão estar presentes no plenário de trabalhadores(as) da carreira de assistente operacional do ensino pré-escolar e dos jardins de infância sob tutela do município de Almada.

O plenário terá início às 10h00m de quarta-feira, 3 de julho, defronte do edifício da Presidência da autarquia almadense, sito no largo 5 de outubro/jardim da Cova da Piedade.

Com esta iniciativa, além de dar voz aos(às) trabalhadores(as), escutando quais os principais problemas que afetam o dia-a-dia dos(as) assistentes do ensino pré-escolar e dos jardins de infância, o SINTAP pretende sensibilizar a Presidente da Câmara, Inês de Medeiros, no sentido da resolução urgente das questões consideradas prioritárias tendo em vista a defesa dos direitos dos(as) trabalhadores(as) e a dignificação das suas carreiras.

 

 

FESAP - Trabalhadores do sector da saúde em greve

2019-06-29
FESAP - Trabalhadores do sector da saúde em greve

A FESAP, em representação dos trabalhadores do setor da saúde, dos assistentes operacionais e administrativos, esteve ontem em greve e encerrou serviços de norte a sul do país.

Num balanço, o Secretário-geral da FESAP, José Abraão, afirmou que esta paralisação teve uma adesão entre os 75% e os 100%, afectando os serviços de consultas e o apoio ao secretariado de norte a sul do país.

Os trabalhadores exigiram aumentos salariais, a admissão de novos efectivos, a abertura da ADSE a quase 20 mil trabalhadores com contratos individuais de trabalho e a criação da carreira de técnico auxiliar.

(Fonte:RTP)