UGT - Comunicados

Notícias

2019

UGT congratula-se com Menção Honrosa do Prémio António Dornelas atribuída ao II Volume da História da central

2019-02-04
UGT congratula-se com Menção Honrosa do Prémio António Dornelas atribuída ao II Volume da História da central

A UGT congratula-se com a atribuição da Menção Honrosa do Prémio António Dornelas aos historiadores José Maria Brandão de Brito e Maria Cristina Fernandes Rodrigues pela autoria do II volume do livro “A UGT na história do movimento sindical português 1990-2010”, uma obra elaborada a pedido da central sindical.

Este livro parte do enquadramento nacional e europeu das duas décadas a que se refere para uma reflexão sobre o futuro do trabalho e os desafios que se colocam ao sindicalismo. De seguida faz uma viagem à vida político-sindical do País, iniciando com a celebração do Acordo Económico Social, em outubro de 1990, passando pelos governos do PSD liderados por Cavaco Silva, a mudança de ciclo político encetado pelo PS e os governos de António Guterres, os governos chefiados por Durão Barroso e Santana Lopes, terminando, na fase final do tempo que a obra alcança, pelo governo de José Sócrates. No final desta obra destacam-se algumas questões temáticas, com enfoque para a concertação social.

O Prémio António Dornelas, criado pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS) destina-se a premiar trabalhos científicos ou técnicos elaborados por estudantes, investigadores e docentes universitários, nas áreas do trabalho, emprego, formação profissional e relações laborais, segurança social e solidariedade, bem como da inclusão de pessoas com deficiência.

Este prémio é também uma homenagem ao professor universitário António Dornelas, sociólogo, especialista em assuntos laborais, coordenador do Livro Verde das Relações Laborais de 2006, investigador do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia, assessor do Presidente da República para o Trabalho e Assuntos Sociais e Secretário de Estado do Trabalho e Formação.

TSDT - SINDITE lamenta decisão do Presidente da República

2019-02-03
TSDT - SINDITE lamenta decisão do Presidente da República

O Presidente da República promulgou hoje o diploma sobre o regime de carreira especial do técnico superior de diagnóstico e terapêutica.

Uma decisão que apanhou de surpresa a Secretária-geral do SINDITE, Dina Carvalho que lamenta esta decisão sem ter ouvido os sindicatos.

Greve e uma grande manifestação já agendada para o mês de Fevereiro é a resposta dos sindicatos, num claro apelo aos deputados para que façam chamar o diploma à discussão.

(Fonte: RTP3)

Oiça também as declarações da Secretária-geral do SINDITE à Antena1, no link abaixo

Ver link

UGT TV - SINAPE: "Não desistimos! Resistimos!"

2019-02-01
UGT TV - SINAPE: "Não desistimos! Resistimos!"

A vice Secretária-geral do Sindicato Nacional dos Profissionais de Educação (SINAPE), Helena Passaporte, denuncia a actual situação vivida no sector da Educação e reafirma o compromisso do SINAPE de clamar por trabalho digno e remunerações dignas para os trabalhadores.

SINAPE apela a todos os profissionais para se juntarem à luta do próximo dia 15 de Fevereiro.

 

UGT na apresentação do Estudo do CRL: A Economia Digital e a Negociação Colectiva

2019-02-01
UGT na apresentação do Estudo do CRL: A Economia Digital e a Negociação Colectiva

No dia 31 de janeiro de 2019, o CRL promoveu a apresentação pública do Estudo: a Economia Digital e a Contratação Coletiva.

O estudo visa avaliar qual o impacto da economia digital na contratação coletiva. A sua apresentação foi feita pela autora, Profª Doutora Rosário Palma Ramalho, Catedrática de Direito do Trabalho da Faculdade Direito de Lisboa. O trabalho também contou com a participação do plenário do CRL, da Comissão Científica do CRL e com a inestimável colaboração técnica de toda a equipa do CRL.

O seminário foi aberto pelo Senhor Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Dr. António Vieira da Silva, e encerrado pelo Senhor Secretário de Estado do Emprego, Dr. Miguel Cabrita.

A UGT fez-se representar nesta iniciativa pelo Secretário-geral Adjunto, José Cordeiro, que participou numa mesa redonda com parceiros sociais sobre tema da “digitalização da economia e as oportunidades da contratação colectiva”.
Também marcaram presença os representantes da UGT no CRL, os Secretários Executivos Carlos Alves e Luís Costa, bem como destacados dirigentes de sindicatos filiados na  UGT de vários sectores de actividade.
 

 

Fórum TSF - Secretário-geral preocupado com constante ataque ao direito à greve

2019-01-31
Fórum TSF - Secretário-geral preocupado com constante ataque ao direito à greve

O Secretário-geral da UGT, convidado para participar no Fórum TSF, mostrou-se preocupado com o facto de ouvir membros de governos, neste caso do Partido Socialista, a lançar dúvidas sobre o direito à greve.

Interpelado sobre como vê o apelo lançado pela Ministra da Saúde para se repensar o direito à greve nos serviços de saúde, Carlos Silva reafirmou que para a UGT e para os seus sindicatos “a greve é o ultimo recurso”, frisando que “a melhor greve é aquela que não se faz”. Acrescentou que se as greves são decretadas têm um objetivo de apelar aos governo ou empresas para se sentarem à mesa e negociar.

No sector da saúde o que está em causa “é uma delapidação dos serviços públicos, uma incapacidade de gestão de pessoas e de recursos, de falta de renovação dos quadros e de falta de diálogo”, acrescentou o líder da UGT. “Aquilo que o Governo tem feito é assumir uma posição unilateral irredutível que coloca os compromissos internacionais em primeiro lugar, colocando as pessoas num patamar secundário”.

O que preocupa a UGT é este tom de ameaça que a greve pode constituir um abuso, atirando o ônus e a responsabilidade de tudo o que se passa de mal para cima dos sindicatos e dos trabalhadores, destacou Carlos Silva, que lançou um apelo à tutela “a ministra da Saúde olhe mais para o seu ministério e ver o que pode fazer para acompanhar a satisfação dos profissionais de saúde que estão em luta”.

Por último, o líder da UGT afirmou estar preocupado com a situação dos concidadãos que veem as suas cirurgias adiadas, no entanto considera que a culpa não pode ser atribuída aos profissionais, apontando a responsabilidade a quem governa e a quem gere expectativas e recursos humanos.

Oiça o Secretário-geral da UGT no Fórum TSF no link abaixo

Ver link