UGT - Comunicados

Notícias

2017

Secretário Geral da UGT em entrevista à SIC Notícias

2017-01-19
Secretário Geral da UGT em entrevista à SIC Notícias

Em entrevista ao programa "10 minutos", o Secretário Geral da UGT, Carlos Silva, afirmou que a central sindical vai tentar demover o PSD de travar o acordo que prevê a descida da TSU para as empresas.

Clique AQUI para assisitir à entrevista na íntegra

Secretário Geral da UGT na conferência "O 18 de Janeiro de 1934 - Revolta dos Vidreiros"

2017-01-18
Secretário Geral da UGT na conferência "O 18 de Janeiro de 1934 - Revolta dos Vidreiros"

O Secretário-geral da UGT foi um dos convidados a intervir na conferência "O 18 de Janeiro de 1934 - Revolta dos Vidreiros", que decorreu no Auditório da Resinagem, na Marinha Grande.

Além do líder da UGT estiveram também presentes Edmundo Pedro, histórico resistente do Movimento Operário e lutador pela Democracia durante o período do Estado Novo, e também, Hermínio Nunes, autor do livro “Antecedentes sociais do 18 de Janeiro de 1934 na Marinha Grande”.

Esta é uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal da Marinha Grande para comemorar o 83º aniversário do movimento operário do 18 de janeiro de 1934.

Clique no link abaixo e aceda à fotogaleria

Ver fotos (Flickr)

Redução da TSU - UGT reúne com CDS-PP

2017-01-17
Redução da TSU - UGT reúne com CDS-PP

A UGT recebeu hoje na sua sede uma delegação do CDS-PP, representada pela sua Presidente, Assunção Cristas, e pelo deputado, Pedro Mota Soares.

Este encontro solicitado pelo partido teve como objectivo de auscultar a posição da UGT em relação aos eventuais impactos que uma apreciação parlamentar possa ter em relação ao diploma da TSU. 

A UGT reiterou a sua posição e voltou a defender a importância deste acordo para os trabalhadores e para a melhoria das suas condições de vida. O Secretário-geral voltou apelar ao respeito pela concertação social e ao respeito pelo papel dos parceiros sociais.

No final o líder da UGT afirmou que foi dada a garantia por parte do CDS de que, à semelhança do que aconteceu no passado, o partido iria valorizar o esforço da concertação e dos parceiros sociais e não tomaria posições que colocassem em causa o acordo alcançado entre parceiros sociais.

Veja as declarações do Secretário-geral da UGT no final da reunião

Ver vídeo (Youtube)

UGT assina o Compromisso para um Acordo de Médio Prazo

2017-01-17
UGT assina o Compromisso para um Acordo de Médio Prazo

A UGT vem tornar público que foi hoje assinado formalmente o “Compromisso para um Acordo de Médio Prazo”, relativamente ao qual tinha sido atingido um acordo de princípio na reunião de concertação social de 22 de Dezembro de 2016.

A UGT reafirma que este é um acordo tripartido fundamental.

Fundamental, porque garantiu já que, a 1 de Janeiro de 2017, os trabalhadores de mais baixos salários vejam aumentado o salário mínimo em 27 euros.

Fundamental, porque coloca na agenda imediata da concertação social um conjunto de matérias importantes para os trabalhadores, como a dinamização da negociação coletiva, o combate à precariedade e a implementação de medidas para a promoção do crescimento e do emprego.

Fundamental, porque este Compromisso é parte integrante de uma estratégia para o progresso económico e social do País, em que a valorização do diálogo e da concertação social não pode, e não deve, ser ignorada e deve antes ser plenamente assumida, tal como ocorreu desde a consagração do seu papel constitucional, como base fundamental do esforço de construção de um Portugal democrático mais justo e solidário.

A UGT quer deixar claro que a não valorização, ou a desvalorização, deste Compromisso é beneficiar o infractor, ou seja, premiar os que sempre se colocaram contra o diálogo e a concertação social, ou que nunca contribuíram para as soluções nessa sede, assumidas não apenas em defesa dos trabalhadores, mas do próprio interesse nacional. Chama-se a isso o “princípio do compromisso”.

A UGT apela a todos os actores políticos, sobretudo àqueles que têm inserida na sua matriz histórica a dignificação da Concertação Social, que, neste momento, não deixem de assumir uma postura coerente e responsável com o seu passado, analisando este Compromisso tripartido por aquilo que é: um acordo de carácter global, com medidas importantes para os trabalhadores, para as empresas, para a economia, para o emprego e para o País.

Em suma, é um acordo relevante para a imagem e a reputação de Portugal cá dentro e lá fora.

Este é um momento em que se exige a todos, designadamente àqueles que, em sede de intervenção e decisão parlamentar, têm a responsabilidade de honrar e respeitar o papel e os contributos que os parceiros sociais, especialmente a UGT, sempre souberam assumir, mesmo em momentos difíceis para o País, nomeadamente durante o PAEF, e aqui relembramos o acordo de 2012, criando um clima de confiança, estabilidade e coesão que se revelou essencial para evitar efeitos mais gravosos das políticas de austeridade.

A concertação social deve ser valorizada, hoje como sempre, enquanto um dos pilares fundamentais do nosso Estado de Direito Democrático.

Em defesa dos trabalhadores!

Em defesa do Crescimento, do Emprego e de Mais Justiça Social!

Em defesa de Portugal!

 

O SECRETARIADO EXECUTIVO DA UGT

 

Jornal 2 - UGT quer respeito pelo Acordo de Concertação Social

2017-01-17
Jornal 2 - UGT quer respeito pelo Acordo de Concertação Social

O Secretário-geral da UGT esteve no Jornal 2, da RTP, onde falou sobre acordo de concertação e lamentou a actual polémica em torno da TSU.

(Fonte:RTP)

 

Ver vídeo (Youtube)