UGT - Comunicados

Notícias

2018

SIC NOTICIAS - Sérgio Monte aborda acordo alcançado em sede de Concertação Social

2018-05-31
SIC NOTICIAS - Sérgio Monte aborda acordo alcançado em sede de Concertação Social

Assista às declarações do Secretário Geral Adjunto da UGT, Sérgio Monte, à SIC Notícias sobre o acordo alcançado em sede de Concertação Social.

Parceiros sociais e Governo alcançam acordo de concertação

2018-05-30
Parceiros sociais e Governo alcançam acordo de concertação

A UGT, o Governo e os empregadores alcançaram hoje um acordo de concertação social sobre a lei laboral.

No final da reunião, o Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, mostrou-se satisfeito com o acordo alcançado, na sua globalidade. O líder da central sindical respondeu às reivindicações da CGTP-IN, afirmando que não é possível erradicar o problema da precariedade a curto prazo. Demonstrou-se também satisfeito pela valorização dada à concertação social com este compromisso.

III Congresso UGT-Viseu - Manuel Teodósio reeleito para mais um mandato

2018-05-28
III Congresso UGT-Viseu - Manuel Teodósio reeleito para mais um mandato

A UGT-Viseu realizou no passado sábado (26 de Maio), o seu III Congresso que reelegeu Manuel Teodósio para mais um mandato à frente da união distrital.

Para o dirigente sindical o objectivo é dar continuidade ao trabalho desenvolvido junto dos trabalhadores, com a aposta na sua qualificação. “O grande objetivo para os próximos anos é o de consolidar o trabalho já desenvolvido, que nos honra muito, e também estarmos despertos para que possamos aproveitar as oportunidades novas que nos possam surgir”, afirmou Manuel Teodósio.

A sessão de encerramento contou com a presença do Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, que na sua intervenção valorizou a concertação social, afirmando que a UGT foi “o único parceiro social a dar o seu apoio à proposta apresentada em concertação social”, uma vez que devem ser dados passos firmes na valorização dos trabalhadores, nomeadamente das gerações mais jovens.

Também na sessão de encerramento esteve presente o Presidente da Câmara Municipal de Viseu, António Almeida Henriques.

Ver fotos (Flickr)

Mais de 1.500 técnicos diagnóstico em manifestação nas ruas de Lisboa

2018-05-25
Mais de 1.500 técnicos diagnóstico em manifestação nas ruas de Lisboa

Mais de 1.500 técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica (TSDT) concentraram-se ontem frente à Assembleia da República e demonstraram o seu descontentamento pela decisão do governo de encerrar as negociações sem acordo em matérias fundamentais.

A marcha que teve início na Praça do Marquês de Pombal foi enchendo as principais ruas de Lisboa, com os técnicos das 18 profissões que integram a carreira de técnicos de diagnóstico e terapêutica, oriundos de todo o país, a reclamar equidade e paridades às restantes carreiras da Administração Pública, que têm o mesmo grau de exigência habilitacional e profissional.

No final da manifestação junto às escadarias da Assembleia da República, o Secretário-geral do SINTAP, José Abraão, congratulou-se com a grande participação dos técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica nesta jornada de luta. Aproveitou também a ocasião para prestar uma homenagem ao fundador do Serviço Nacional de Saúde, António Arnaut. O dirigente sindical garantiu que a luta não irá parar enquanto não for reposta a justiça nas carreiras dos TSDT’s “que são o sustentáculo do SNS e do trabalho que é prestado aos cidadãos”.

“Nem menos, nem mais. Salários Iguais”, “Tratamento Igual”, “Igualdade de Oportunidades para todos e uma carreira igual aos Técnicos superiores do regime geral”. Foram estas as palavras que iniciaram o discurso da Secretária-geral do SINDITE, Dina Carvalho, que reivindicou que a luta destes profissionais fossem mais longe e que os TSDT’ fossem equiparados aos técnicos superiores de Saúde.

No final da manifestação, os representantes sindicais foram recebidos pela Mesa da Assembleia da República, a quem entregaram o manifesto subscrito pelas quatro organizações em protesto. 

Os dirigentes sindicais no final da grande manifestação de indignação dos TSDT, informaram que o Governo recuou e reabriu as negociações, chamando as organizações sindicais para uma reunião com a Secretária de Estado da Saúde.

Relativamente aos números da greve, os sindicatos apontam para uma adesão acima dos 90%, registando que alguns serviços apresentam uma adesão de 100%, mantendo-se os serviços mínimos obrigatórios.

Os TSDT’s estão em greve desde as 00:00 de dia 24 de Maios, numa jornada de luta de dois dias pela falta de acordo com a tutela sobre matérias relativas às tabelas salariais, transições para nova carreira e sistema de avaliação. A greve prolonga-se até às 24:00 de sexta-feira e prevê o cumprimento de serviços mínimos, abrangendo tratamentos de quimioterapia e radioterapia ou os serviços de urgência.

Leia AQUI a carta entregue ao Presidente da Assembleia da República

Ver fotos (Flickr)

Greve e Manif Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica - 24 e 25 de Maio 2018

2018-05-24
Greve e Manif Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica - 24 e 25 de Maio 2018

No dia 24 de maio às 14h30m haverá manifestação/concentração no Marquês de Pombal, seguida de desfile até à Assembleia da República.

VAMOS FAZER A MAIOR MANIFESTAÇÃO DE SEMPRE DOS TSDT EM LISBOA!

TEMOS DE FAZER HISTÓRIA.

A nossa jornada de luta está em marcha. A greve de 24 e 25 de maio e a nossa Manifestação/Concentração em Lisboa, no dia 24, têm de ser um marco histórico!

Vamos todos para o Marquês de Pombal e vamos paralisar os Serviços, cumprindo apenas os serviços mínimos, demonstrando a nossa indignação e descontentamento pela decisão do governo de encerrar as negociações sem acordo em matérias fundamentais.

Como os colegas sabem, ontem os Sindicatos e o Governo, na pessoa da Sra. Secretária de Estado, assinaram o ACCE, documento que já tinha sido acordado, faltando, apenas a formalidade da assinatura. Aproveitamos a oportunidade para informar a Sra. Secretária de Estado da Saúde, que, dada a posição do Governo, aos Sindicatos não restou outra alternativa que não a de nos insurgirmos contra o tratamento a que fomos sujeitos.

Exigimos equidade e paridade com outras carreiras da administração pública, que têm o mesmo grau de exigência habilitacional e profissional.

Exigimos que o Governo reabra as negociações com estes Sindicatos. Queremos negociar as matérias não acordadas, bem como as que não foram sequer negociadas:

-Tabela Salarial e transições
- Contagem do tempo na categoria detida
- Remunerações dos Coordenadores e dos Técnicos Diretores;
-Abertura imediata de concursos;
- Descongelamento imediato dos escalões para todos respeitando as normas aplicáveis aos TSDT;
- Contratação imediata de mais TSDT;
- Profissionais a integrar nas carreiras, titulação profissional e perfis de competências;
- Consolidação de mobilidade dos TSDT em regime de CIT.

Vamos todos manifestar o nosso repúdio e indignação, com a decisão do Governo de encerramento do processo negocial.

Temos de ser o maior número de sempre de TSDT a mostrar descontentamento na rua.

UMA VEZ MAIS, VAMOS COLOCAR OS TSDT NA AGENDA DO GOVERNO

VAMOS EXIGIR A REABERTURA DAS NEGOCIAÇÕES

A LUTA TEM DE CONTINUAR

JUNTOS SOMOS MAIS FORTES

VAMOS TODOS  À MANIFESTAÇÃO