UGT - Comunicados

Notícias

2019

Carlos Silva - Formação profissional e requalificação dos trabalhadores são essenciais para enfrentar a robotização

2019-01-17
Carlos Silva - Formação profissional e requalificação dos trabalhadores são essenciais para enfrentar a robotização

O Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, ouvido pela Antena 1, sobre o estudo que a CIP apresenta hoje e que estima que a robotização põe em risco 1,1 milhões de empregos em Portugal na próxima década, afirmou que a formação profissional e requalificação dos trabalhadores são fundamentais para enfrentar esta alteração estrutural do mercado de trabalho.

Para o líder da UGT estas alterações devem ser discutidas em sede de concertação social e o movimento sindical nacional e europeu tem antecipado este fenómeno e refletido como se podem defender postos de trabalho.

O estudo, encomendado pela Confederação Empresarial de Portugal (CIP) ao McKinsey Global Institute e à Nova School of Business and Economics, traça um cenário preocupante nos sectores mais marcados por tarefas repetitivas e com um elevado potencial de automação, mas também dá conta de oportunidades em áreas como a saúde ou a construção.

Oiça as declarações do Secretário-geral da UGT no link abaixo.

Secretário-Geral defende que é possível alcançar entendimentos entre empresários e trabalhadores

2019-01-17
Secretário-Geral defende que é possível alcançar entendimentos entre empresários e trabalhadores

O Secretário-geral da UGT foi um dos convidados do Fórum Capitalizar, que teve lugar hoje no Museu do Oriente, para uma iniciativa conjunta do Jornal Económico e do Novo Banco.

O líder da central sindical participou num debate sob o tema “Investimento como factor de Sustentabilidade”, onde participou igualmente o Presidente da CIP, António Saraiva com a moderação do CEO do Novo Banco, António Ramalho.

Na sua intervenção, Carlos Silva defendeu a necessidade de investimento para a criação de emprego, considerando que é possível alcançar entendimentos entre empresários e trabalhadores para a criação de riqueza.

Carlos Silva salientou que “para a criação de emprego é fundamental que hajam empresários que invistam. Não há postos de trabalho se não houver essa assunção de risco”.

Além da participação do Secretário-geral no debate, estieveram também presentes nesta conferência os Secretários-gerais Adjuntos, Sérgio Monte e Paula Bernardo, bem como os Secretários Executivos, Carlos Alves e Luís Filipe Costa.

UGT presente na Conferência da CIP sobre o Futuro do Trabalho

2019-01-17
UGT presente na Conferência da CIP sobre o Futuro do Trabalho

Uma delegação da UGT representada pela Secretária-geral Adjunta, Paula Bernardo, e pelo Secretário Executivo, Carlos Alves, esteve presente na Conferência promovida pela CIP (Confederação Empresarial de Portugal), onde foi apresentado o estudo “Automação e o Futuro do Trabalho em Portugal”, que se debruçou sobre o impacto da automação no futuro do trabalho e apontou os desafios que se colocam no processo de transição para a era digital e os efeitos nas qualificações e salários dos trabalhadores.

O estudo antecipa um cenário em que, neste contexto, a massificação dos “robôs” (em rigor, tecnologias como as da robótica e da inteligência artificial, entre outras) poderá levar à eliminação de 1,1 milhões de empregos em Portugal — e, em compensação, serão criados entre 600 mil e (os mesmos) 1,1 milhões de novos empregos, no melhor cenário. A investigação conclui, também, que 1,8 milhões de trabalhadores irão necessitar de melhorar as suas competências ou mudar de emprego nos próximos 11 anos.

Na sequência deste estudo e num comentário para a Antena 1, o Secretário-geral da UGT referiu que a chave para a defesa dos postos de trabalho face à globalização da automação está na melhoria das competências através da formação profissional.

Brexit - UGT reúne com Michel Barnier e destaca a importância de se evitar uma "saída descontrolada"

2019-01-17
Brexit - UGT reúne com Michel Barnier e destaca a importância de se evitar uma "saída descontrolada"

A UGT, representada pela Secretária Internacional, Catarina Tavares, e pelo Secretário-Geral Adjunto, José Cordeiro, reuniu, juntamente com os restantes parceiros sociais, com o negociador chefe para o Brexit, Michel Barnier, que se deslocou a Lisboa para dar a conhecer o andamento do processo e as consequências do chumbo do acordo pelo Parlamento britânico.

Em declarações à Lusa no final da reunião, Catarina Tavares, salientou a importância de se conseguir um acordo de saída do Reino Unido da União Europeia que evite "uma saída descontrolada".

Para a dirigente sindical “o ideal seria um acordo. Uma saída descontrolada não serve a ninguém”, explicando a preocupações da UGT relativamente a uma saída abrupta (sem acordo) do Reino Unido, com implicações em Portugal ao nível da economia (com uma previsível quebra de exportações) e das suas consequências ao nível do mercado de emprego, quer em Portugal quer nos portugueses que trabalham no Reino Unido.   

Recorde-se que os parceiros estiveram presentes na quarta-feira numa reunião extraordinária da Concertação Social, que teve como ponto único de agenda as "Medidas de Preparação e Plano de Contingência para a saída do Reino da União Europeia ['Brexit'].

Nessa reunião, o líder da UGT, Carlos Silva, disse confiar no plano do Governo e voltou a apelar para que os empregadores não aproveitem a situação para despedirem trabalhadores. “Esperemos que isso não sirva como janela de oportunidade para criar outra vez desemprego em Portugal porque quem sofre é sempre o trabalhador”, afirmou Carlos Silva. 

Brexit - UGT confia no plano do Governo

2019-01-16
Brexit - UGT confia no plano do Governo

Secretário-Geral da UGT Portugal, Carlos Silva, à saida da reunião de concertação social reafirmou que faz uma avaliação positiva da intervenção do Governo neste processo.

O líder da central sindical espera que esta situação não sirva como janela de oportunidade para os empregadores despedirem trabalhadores e consequentemente, criar outra vez desemprego em Portugal.

Nesta reunião foram debatidas as "Medidas de Preparação e Plano de Contingência para a saída do Reino Unido da União Europeia" apresentadadas pelo Governo Português.