UGT - Comunicados

Notícias

2018

UGT-Braga debate as potencialidades e os constrangimentos no sector têxtil

2018-06-14
UGT-Braga debate as potencialidades e os constrangimentos no sector têxtil

A UGT participa hoje na conferência promovida pela UGT-Braga sob o tema “Sector Têxtil – Constrangimentos Vs Potencialidades”.

A abertura desta conferência esteve a cargo do Presidente da UGT-Braga, César Campos, que no seu discurso fez uma breve síntese da evolução positiva que se tem verificado no sector têxtil, após o período da crise que afectou fortemente o sector.

De seguida, a Direcção Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT), representada por Rui Abreu, apresentou uma minuciosa caraterização do sector têxtil, na vertente da contratação colectiva e da sua aplicação no âmbito dos subsectores: dos lanifícios, da confecção, do vestuário, do calçado, etc.

A última intervenção na sessão de abertura coube à Secretária de Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann, que fez referência à importância do sector no volume de exportações, bem como a amplitude de inovação tecnológica demonstrada pelas empresas e a grande capacidade de adaptação demonstrada pelos trabalhadores, o que se afigura como sendo um bom prenúncio face à proximidade da designada Indústria 4.0.

Este encontro permitiu ainda aos vários oradores debater as recentes dificuldades vividas pelo sector face à concorrência internacional, as baixas remunerações praticadas, a necessidade de mais e melhores qualificações dos trabalhadores, as condições laborais e o actual estado de segurança e saúde no sector.

A sessão de encerramento contou com a intervenção do Presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa, que saudou a iniciativa promovida pela união distrital da UGT e relembrou a sua participação na concertação social enquanto ex-dirigente empresarial.

A encerrar este encontro, o Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, no seu discurso referiu a importância do diálogo social e da negociação colectiva, realçando o papel fundamental que o salário mínimo assume nos sectores onde tradicionalmente é praticada uma política de baixos salários. Perante este facto, a UGT manterá como bandeira a atualização do salário mínimo. Realçou também a importância que desde sempre a UGT dedicou à qualificação dos trabalhadores, quer na sua formação inicial, quer na contínua. Por fim, o líder da UGT fez referência ao Acordo de Concertação Social, que será formalmente assinado no próximo dia 18 de junho, citando o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na sua intervenção aquando das Comemorações do Dia de Portugal: “…os portugueses preferem a paciência dos acordos, mesmo que difíceis, à volúpia das ruturas, mesmo que tentadoras.”

No dia seguinte, a comitiva de dirigentes sindicais da UGT deslocaram-se a duas empresas do sector têxtil, a P&R Têxteis e a Pedrosa e Rodrigues S.A, em Barcelos, onde tiveram a oportunidade de contactar com os empresários e com os trabalahdores, conhecendo as suas condições de trabalho.

Ver fotos (Flickr)

UGT na tomada de posse novo Presidente do ISCAC - Coimbra Business School

2018-06-13
UGT na tomada de posse novo Presidente do ISCAC - Coimbra Business School

O Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, esteve hoje presente na cerimónia de tomada de posse do novo Presidente ISCAC Coimbra Business School, que decorreu no auditório desta instituição.

O Professor Doutor Pedro Costa, docente no ISCAC é o novo sucessor de Manuel Castelo Branco, presidente da escola desde 2010.

 

Ver fotos (Flickr)

UGT apoia a luta justa dos trabalhadores ferroviários

2018-06-13
UGT apoia a luta justa dos trabalhadores ferroviários

A UGT saúda as ações de luta que tem vindo a ser desenvolvidas (e outras que já se perspetivam para os próximos dias 23 e 24) pela Frente Sindical dos Trabalhadores Ferroviários, da qual fazem parte vários Sindicatos da UGT.

É uma luta que não tem a ver com questões salariais. É uma luta contra a alteração aos Regulamentos Gerais de Segurança que, na sua essência, se destinam a preservar e defender a segurança dos utentes e dos trabalhadores.

É uma luta contra a tentativa de desregulamentação do setor ferroviário que tem como único objetivo reduzir custos operacionais para facilitar eventuais futuras privatizações. A UGT não tem qualquer preconceito ideológico relativamente a privatizações, mas NUNCA deixaremos de erguer a nossa voz e de nos juntarmos a quem luta quando nos deparamos com tentativas de colocar o lucro à frente da segurança de pessoas e de bens.

Assim a UGT saúda a luta dos trabalhadores ferroviários, em defesa da segurança e dos postos de trabalho.

Moção - UGT-Castelo Branco repudia intenção da CGD de encerrar agências no distrito

2018-06-13
Moção - UGT-Castelo Branco repudia intenção da CGD de encerrar agências no distrito

"O Secretariado da UGT Castelo Branco, em reunião realizada a 13 de junho de 2018, aprovou, por unanimidade, uma moção em que repudia a intenção da Caixa Geral de Depósitos de encerrar mais duas agências no distrito de Castelo Branco, desta vez no concelho de Castelo Branco, mais concretamente a agência Amato Lusitano em Castelo Branco e a situada em S. Vicente da Beira."

Leia no link abaixo a moção na íntegra

INFO UGT - Especial Dia do Trabalhador - 1º Maio 2018

2018-06-11
INFO UGT - Especial Dia do Trabalhador - 1º Maio 2018

A edição n.7 da revista digital da UGT - INFO UGT - já está disponível para consulta.

Veja o Especial Dia do Trabalhador 2018