UGT - Comunicados

Notícias

2020

Reunião com o P.R. - "Deixámos-lhe a mensagem de que ninguém deve ser deixado para trás"

2020-04-02
Reunião com o P.R. - "Deixámos-lhe a mensagem de que ninguém deve ser deixado para trás"

O Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, levou esta terça-feira ao encontro com o Presidente da República aquela que é a grande preocupação da central em relação aos postos de trabalho, dado que muitas empresas estão a aproveitar-se da crise causada pela pandemia da covid-19 para despedir.

“Deixámos-lhe a mensagem de que ninguém deve ser deixado para trás, pois não queremos que surja convulsão social por falta de apoio às famílias", afirmou o líder sindical naquela que foi a última reunião de uma ronda de encontros do Presidente da República com os parceiros sociais.

A UGT aproveitou para denunciar junto de Marcelo Rebelo de Sousa os casos de "assédio moral" de que estão a ser vítimas muitos trabalhadores, a quem tentam reduzir a remuneração e os direitos ou o posto de trabalho.

O líder da UGT considerou importante os apoios que estão a ser facultados às empresas, mas defendeu que, para acederem a eles, têm de garantir os empregos e os direitos dos trabalhadores.

"É preciso pensar nas empresas, mas também é preciso pensar nos trabalhadores, porque existem muitas empresas sem escrúpulos", afirmou Carlos Silva, acrescentando que há empresas a aproveitar-se da situação causada pela covid-19 para despedir trabalhadores sem justificação e para equilibrar contas que já estavam mal.

“O apelo que fizemos ao senhor Presidente da República é que se consiga um equilíbrio entre o económico e o social”, concluiu o líder da UGT.

(Fonte: RTP3)

 

SIC Noticias - UGT envia carta ao Primeiro-ministro e pede mais protecção para precários

2020-03-31
SIC Noticias - UGT envia carta ao Primeiro-ministro e pede mais protecção para precários

O Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, entrevistado esta segunda-feira na SIC Notícias esclareceu que enviou uma carta a António Costa solicitando-lhe “uma intervenção urgente no sentido de adotar medidas que tornem mais abrangente a proibição da cessação de contratos de trabalho, que seja vedado o acesso a apoios a empregadores que tenham despedido ou pretendam despedir no presente e no futuro próximo, sem esquecer a necessária proteção devida aos trabalhadores mais frágeis e vulneráveis" do mercado de trabalho, "como são os trabalhadores precários”.

Apesar do “enorme esforço que o Governo tem feito para proteger a vida dos portugueses e a celeridade com que tem tomado decisões, implementado medidas que visam mitigar os impactos terríveis desta epidemia na vida dos trabalhadores e das famílias, nas atividades económicas e na economia em geral”, a UGT considera que são necessárias corrigir algumas questões com um melhoramento do diploma, uma vez que chegam todos os dias à UGT e aos seus sindicatos denúncias de trabalhadores a informar que os seus postos de trabalho desapareceram ou estão em perigo.

O líder sindical referiu ainda que a carta enviada ao Primeiro-Ministro é uma forma de seguir o exemplo de Espanha, que na passada semana aprovou legislação para conter os despedimentos dos trabalhadores precários neste contexto de pandemia.

Carlos Silva conclui que este foi um apelo da Central na “defesa dos postos de trabalho e dos trabalhadores, nomeadamente daqueles que em situação de precariedade precisam de ser defendidos”.

Covid-19 - UGT defende o prolongamento de contratos a prazo durante a pandemia

2020-03-30
Covid-19 - UGT defende o prolongamento de contratos a prazo durante a pandemia

Na TSF, o Secretário-geral Adjunto da UGT, Sérgio Monte, voltou a defender a proibição de despedimentos, a par do prolongamento dos contratos a termo, para evitar situações abusivas durante a pandemia de Covid-19.

O dirigente sindical denunciou que a central sindical recebeu várias denúncias de despedimentos abusivos, em vários sectores de actividade, incluindo denúncias de contratos e rescisões em período experimental.

(Fonte: TSF)

 

Carlos Silva envia carta a António Costa reclamando medidas urgentes

2020-03-30
Carlos Silva envia carta a António Costa reclamando medidas urgentes

O Secretário-Geral da UGT, Carlos Silva, solicitou a intervenção urgente do Primeiro-Ministro no sentido de serem adotadas medidas urgentes que tornem mais abrangente a proibição da cessação de contratos de trabalho e que seja vedado o acesso a apoios a empregadores que tenham despedido ou pretendam despedir no presente e futuro próximo e uma maior proteção aos trabalhadores mais frágeis e vulneráveis no mercado de trabalho, impondo assim maior justiça e manutenção da capacidade produtiva.

Carlos Silva lembrou que todos os dias chegam à Central denúncias de trabalhadores que relatam o desaparecimento dos seus postos de trabalho ou que estão em perigo. Aliás, são os mais jovens que pagam esta crise com a renovação em massa de contratos a termo e de trabalho temporário.

O Secretário-Geral elogiou ainda a postura de António Costa na tentativa de preservar os postos de trabalho dos portugueses e as alterações à legislação, no que diz respeito ao layoff. Ainda assim, Carlos Silva deixa três pontos que podem ser decisivos na proteção dos trabalhadores:

•          A proibição generalizada da cessação de contratos de trabalho no recurso a qualquer medida aprovada pelo Governo de apoio aos empregadores;

•          Abranger os contratos terminados pelos empregadores antes da implementação das medidas, para evitar práticas abusivas como o despedir antes para pedir apoio depois;

•          Alargar o período de 60 dias após o termo da aplicação das medidas em que dura a proibição de cessação de contratos de trabalho, garantindo que a destruição de postos de trabalho não é apenas adiada para daqui a uns meses.

Carlos Silva aproveita ainda para reconhecer e saudar o enorme esforço que o Governo tem feito para proteger a vida dos portugueses e a celeridade com que tem tomado decisões. O Secretário Geral da UGT deixa ainda claro que o Executivo tem mostrado abertura para a inclusão de contributos que possam aperfeiçoar e melhorar o quadro atual e foi nesse sentido que, agora, o líder da Central apresentou propostas e soluções que visam melhorar a vida de todos os trabalhadores que, numa altura de grande pressão e receio, precisam também eles de uma palavra, mas sobretudo de ações que lhes ofereça esperança num futuro próximo.

Veja a carta enviada ao Primeiro-Ministro no link abaixo

UGT está de luto

2020-03-30
UGT está de luto

É com imensa consternação e pesar que a UGT teve conhecimento, esta segunda-feira, do falecimento de Jofre Caldas Pereira, pai do Secretário-geral Adjunto, Sérgio Monte.

O Secretário-geral da UGT, em nome de todos os órgãos da central solidariza-se com a família, a quem desejamos força neste momento de pesar.