UGT - Comunicados

Notícias

2019

UGT presente no Congresso CIP 2019

2019-10-22
UGT presente no Congresso CIP 2019

A UGT esteve presente no dia 22 de Outubro, no Congresso da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), que se realizou no Centro de Congressos do Estoril, representada pela Secretária-geral Adjunta, Paula Bernardo, e o Secretário Executivo, Carlos Alves.

Este Congresso anual e último do mandato, dedicado ao tema “Portugal: Crescimento ou Estagnação? A resposta está nas empresas”, contou com a presença de várias individualidades com destaque para, na sessão de encerramento, do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do Director-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder, que abordou o futuro do trabalho e o papel das empresas.

Esta reunião magna juntou destacados empresários e personalidades relevantes para uma reflexão sobre o futuro da economia portuguesa.

UGT presente no XII Congresso da FNAM

2019-10-21
UGT presente no XII Congresso da FNAM

O Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, acompanhado do Secretário-Geral Adjunto, Sérgio Monte, e do Secretário Executivo, Luís Costa, esteve presente na abertura do XII Congresso da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), realizado em Lisboa nos dias 19 e 20 de Novembro, sobre o lema “Dignificar a carreira médica – Defender o Serviço Nacional de Saúde”.

Na sua intervenção, o líder da UGT destacou a importância destes profissionais no funcionamento do SNS e a necessidade do próximo Governo tomar medidas que contribuam efetivamente para a dinamização e consolidação deste Serviço, incluindo a valorização salarial de todos os trabalhadores que dele fazem parte. Afirmou ainda que não poderá existir um SNS de qualidade sem profissionais motivados e bem remunerados.

Terminou a sua intervenção desejando a todos os Congressistas os votos de um trabalho profícuo e manifestou apoio da UGT na luta destes profissionais.

UGT reitera preocupações quanto ao futuro quadro financeiro da U.E.

2019-10-17
UGT reitera preocupações quanto ao futuro quadro financeiro da U.E.

A UGT esteve presente, esta quarta-feira, na reunião preparatória com os parceiros sociais sobre o Conselho Europeu, presidida pelo Primeiro-ministro indigitado, António Costa, na qual foram abordadas as questões da negociação do quadro financeiro plurianual e a questão do Brexit.

À saída a reunião, a Secretária-geral Adjunta, Paula Bernardo, disse que o Governo lhes apresentou o ponto de situação destas duas questões. Em relação ao quadro financeiro, a dirigente sindical afirmou que a posição da UGT “já é conhecida”.

“Preocupam-nos as tentativas de reduzir as verbas que serão colocadas à disposição dos Estados-membros para as políticas de coesão e de desenvolvimento e que afectarão certamente Portugal”, sublinhando que é preocupante que, no decorrer dessa redução de verbas, a Comissão Europeia venha a “aumentar as taxas de comparticipação nacional”.

Tal, prosseguiu, “exigirá um esforço acrescido a países que como Portugal ainda têm necessidades acrescidas de investimento”.

Paula Bernardo confessou que a situação “não é animadora”. “Da reunião que tivemos, a situação não é particularmente animadora. Estes problemas persistem, esta incerteza relativamente àquilo que vai ser de facto o volume global do fundo comunitário que continua em aberto. A nossa preocupação é que falte à UE uma verdadeira ambição para assegurar aquilo que é um dos seus valores fundamentais que é a promoção da convergência entre estados-membros”, realçou.

Em resposta a uma questão dos jornalistas sobre o esboço do Orçamento do Estado entregue a Bruxelas, Paula Bernardo afirmou esperar que a UGT seja uma “parte ativa” na discussão do próximo O.E. e sublinhou como positivas as revisões em alta dos indicadores macroeconómicos.

De qualquer modo, referiu ainda a Secretária-geral da UGT, “também tivemos oportunidade de dizer na reunião que era fundamental que as necessidades específicas de Portugal fossem devidamente acauteladas no quadro da preparação do fundo comunitário”, frisando a importância das prioridades nacionais mas também regionais.

Para a UGT, as matérias mais importantes são o investimento público, a resposta às necessidades de emprego de qualidade, a valorização do trabalho e a melhoria das condições de trabalho e a melhoria do salário seja no setor privado seja no público.

Além da Secretária-geral Adjunta, incluiram a delegação da UGT, os Secretário-gerais Adjuntos, José Cordeiro e Dina Carvalho, a Secretária Internacional, Catarina Tavares, e o Secretário Executivo, Carlos Alves.

Veja as declarações da Secretária-geral Adjunta no vídeo abaixo

UGT dá "um voto de confiança" à nova ministra do Trabalho

2019-10-16
UGT dá "um voto de confiança" à nova ministra do Trabalho

Em declarações à Antena 1, o Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, afirma que a nova composição do Governo mantém uma linha de continuidade em relação ao elenco da anterior legislatura.

Em relação à escolha de António Costa em atribuir a pasta do Trabalho a Ana Mendes Godinho, o líder da UGT demonstra alguma surpresa, mas dá um voto de confiança à nova ministra.

Considera que “fez um excelente trabalho” à frente da Secretaria de Estado do Turismo, e esperando que a governante traga à nova pasta a experiência, credibilidade e assertividade que teve nas anteriores funções, expressou Carlos Silva.

(Fonte: Antena 1)

Oiça as declarações do Secretário-geral da UGT no link abaixo

Ver link

Prémio Camões - UGT manifesta a solidariedade a Chico Buarque da Holanda

2019-10-15
Prémio Camões - UGT manifesta a solidariedade a Chico Buarque da Holanda

A UGT e os seus sindicatos manifestaram a sua solidariedade para com Chico Buarque da Holanda, pelo atropelo de que foi alvo pelo Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro que se recusou a assinar o Prémio Camões, atribuído este ano ao artista brasileiro.

Numa mensagem remetida às congéneres sindicais brasileiras, a UGT manifesta a sua repugnância pela decisão do Presidente do Brasil, considerando que ela constitui um ultraje à Língua Portuguesa e um atentado à democracia.

A mesma mensagem foi remetida para conhecimento ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro, ao Ministro dos Negócios Estrangeiros, ao Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, ao Instituto Camões, ao Secretário Executivo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP)  e à Sociedade Portuguesa de Autores.

Leia na íntegra a mensagem assinada pelo Secretário-geral da UGT

“Caros Amigos,

Tomamos conhecimento que o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, decidiu não assinar o diploma que confere o Prémio Camões 2019 ao Poeta, Prosador, Artista, Cantor e Militante da Língua Portuguesa, Património Universal da Humanidade, Chico Buarque da Holanda.

A repugnância que tal decisão encerra constitui um ultraje à Língua Portuguesa, comum entre os nossos povos e factor de irmandade multissecular, e é um atentado à democracia, que o próprio Prémio Camões constitui, já que foram os portugueses e os brasileiros que decidiram e consagraram este Prémio.

A UGT-Portugal e os seus Sindicatos pretendem, desta forma, expressar a sua solidariedade com Chico Buarque da Holanda através do movimento sindical irmão do Brasil, apelando a todos os democratas brasileiros e de língua portuguesa que denunciem este atropelo e pressionem o Presidente do Brasil a cumprir a democracia e os acordos que subjazem à atribuição do Prémio Camões.

Em Defesa da Liberdade.”

 

P’la UGT-Portugal

Carlos Silva

Secretário Geral